Best Workplaces, Merck Portugal: Os segredos de um dos melhores locais para trabalhar

Os factores que descrevem a atractividade da Merck Portugal para trabalhar.

 

Depois da atribuição do selo Great Place to Work, um reconhecimento conquistado pela Merck Portugal em 2021, a farmacêutica, que se define como «uma empresa vibrante de ciência e tecnologia» que acredita «na ciência como uma força para o bem», acaba de integrar a lista restrita de Best Workplaces 2022. O 10.º lugar ocupado é, refere a propósito Pedro Moura, director-geral da companhia no nosso país, «um orgulho», mas o mérito, garante, vai inteiramente «para as pessoas que fazem parte da companhia e, que todos os dias, de forma incansável, se dedicam a cumprir a nossa missão, que assenta em três pilares: ajudar a criar vidas, melhorar a qualidade e prolongar a vida dos doentes».

O bom ambiente que se vive na Merck Portugal não surge por acaso, uma vez que a empresa procura melhorar, ano após ano, com base no feedback que recebe dos colaboradores. Anualmente o grupo Merck efectua um inquérito organizacional para avaliar o nível de engagement dos colaboradores em todos os sectores de negócio, por todo o mundo e Portugal não é excepção. Com base nesses resultados anuais, existem sempre áreas que podem ser melhoradas e a decisão sobre que áreas trabalhar recai sempre nos colaboradores, pois só assim a empresa consegue ouvir verdadeiramente a sua voz. A título de exemplo, nos últimos anos foram criados grupos de trabalho nas áreas de Colaboração, Compensações e Benefícios e Atracção e Retenção. Em resposta às sugestões, várias acções foram implementadas. A participação no Great Place to Work resultou, aliás, de um pedido que surgiu do grupo de trabalho de 2021. Outros exemplos são a iniciativa “Me in your shoes” criada para permitir que todos tenham um maior entendimento do que se faz em determinados departamentos da empresa, com o objectivo principal de criar mais empatia entre colegas e uma maior sensibilização para o trabalho de cada um. Esta iniciativa permite, durante um dia ou uma manhã, acompanhar um colega e observar e aprender o que se faz em determinado lugar. Várias outras iniciativas foram sendo colocadas em prática ao longo dos anos, e essa parece estar a ser uma fórmula vencedora.

É o director-geral da Merck que confirma também a aposta no desenvolvimento das pessoas, que a empresa procura fomentar de diferentes formas e com recurso a várias iniciativas. Equipas onde a diversidade e inclusão são, mais do que um grande objectivo, uma tarefa que se concretiza através da nomeação de pessoas com backgrounds, experiências e culturas diferentes. «Temos colegas de outros países e com experiência internacional na nossa organização portuguesa, temos uma distribuição equitativa de colaboradores do sexo feminino e masculino, e temos várias mulheres em cargos de liderança nomeadamente na direcção da companhia porque sabemos que só com equipas diversificadas, compostas por pessoas singulares, com diferentes nacionalidades, idiomas, idades, géneros, educação e culturas é que conseguimos concretizar os nossos objectivos e levar mais longe o nosso trabalho.»

No entanto, mais do que uma aposta interna, uma cultura pautada pela diversidade, equidade e inclusão, que é uma urgência em Portugal, transforma-se num compromisso que a Merck quer levar para fora de portas, para que tenha impacto no maior número possível de pessoas, e empresas e no limite na sociedade portuguesa. E o ponto de partida para este desafio vai ser o evento “As One for Diversity, Equity and Inclusion”, a realizar no dia 21 de Abril, transmitido nas redes sociais do Jornal Público e da Merck, que leva para a discussão pública estas temáticas. No evento será apresentada uma fotografia da realidade portuguesa e a evolução destes parâmetros nos últimos 10 anos e em alguns pontos poder-se-á fazer projecções sobre o futuro e analisar onde é que os líderes empresais de hoje se devem focar nos próximos anos para fazer a diferença em particular em questões relacionadas com a diversidade de género.

«Vamos reunir um conjunto de pessoas de diferentes áreas, com diferentes papéis, que irão debater caminhos para tornarmos a diversidade, equidade e inclusão, mais do que uma meta, uma realidade no nosso país», explica Pedro Moura. Para isso, a empresa está a inspirar-se em Portugal na iniciativa ClosinGap, levada a cabo pela Merck Espanha, em que se promoveu a transformação social a partir de uma perspectiva empresarial no domínio da economia e das mulheres, em colaboração com os sectores público e privado.

Uma iniciativa que mostrou que as empresas constituídas maioritariamente por homens têm uma performance inferior a empresas diversas em termos de género. «Depois de uma avaliação à percentagem de homens e mulheres nos cargos de liderança de 12 empresas de sectores diferentes, assim como o nível salarial para as mesmas funções, ficou clara a existência de um gap em detrimento das mulheres, tendo sido estabelecidas metas para mudar essa realidade num prazo de três a cinco anos. Metas essas que, mais do que medidas politicamente correctas, revelaram ser opções mais inteligentes em termos de resultados de negócio », refere o director-geral da Merck. Uma aposta que se quer ganhar também por cá.

 

A aposta na literacia
Ao trabalho da Merck em prol da diversidade, igualdade e inclusão junta-se também a tarefa de aumentar a literacia em saúde que, de acordo com os dados disponíveis em Portugal, tem ainda muito por onde se desenvolver. E é através de várias campanhas de sensibilização que procura levar mais informação não só aos doentes, mas também aos seus cuidadores. Aqui, o destaque vai para uma iniciativa criada em 2020 no âmbito de um projecto global da empresa, o Embracing Carers, e que reúne já 30 associações de doentes e organizações que têm como grande objectivo dar visibilidade aos cuidadores informais.

O Movimento Cuidar dos Cuidadores Informais é também ele uma forma de inclusão, neste caso de um grupo de pessoas que, apesar da sua dimensão e peso – social e económico – na sociedade portuguesa, continuam excluídas do acesso a ajudas e medidas de apoio, mesmo depois da aprovação do Estatuto que reconhece a sua existência legal.

Os dois inquéritos levados a cabo pelo movimento traduzem para números uma realidade que muitos já conheciam, mas cuja dimensão se revelou bem maior do que o esperado. A começar pelo número de cuidadores que, segundo o estudo feito junto da população, serão à volta de 14%, um valor muito acima do 8% até aqui estimado. «O que significa que existirão, no País, qualquer coisa como 1,4 milhões de pessoas a desempenhar a tarefa de cuidador informal, muitas das quais sem acesso aos apoios de que necessitam», refere Pedro Moura, que acrescenta: «é urgente dar-lhes a visibilidade que merecem, para que possam, mais do que ser reconhecidas enquanto cuidadoras, poder beneficiar de formas de tornar menos onerosas, a todos os níveis, as tarefas que desempenham.»

E ao ajudar a cuidar dos cuidadores, a Merck reforça o seu papel “As One for Patients”, uma vez que melhores cuidados têm impacto na qualidade de vida dos doentes, que é uma das grandes preocupações da empresa. «Para falar da melhoria dos cuidados aos doentes temos que ter em conta todas as dimensões e não podemos esquecer a dos cuidadores informais», avança o director-geral da companhia. «Foi por isso que a Merck Global criou o projecto que visa ajudar estes cuidadores, o Embracing Carers, que procuramos reforçar em Portugal, ao percebermos que tínhamos que ir mais além, tendo em conta as dificuldades que enfrentam os cuidadores nacionais.»

 

Ajudar a criar, melhorar e prolongar vidas
São várias as áreas em que a Merck se destaca, como a fertilidade, onde assume uma posição de liderança, resultado de um trabalho desenvolvido ao longo de décadas, que permite oferecer agora várias opções de tratamento e dispositivos inovadores para ajudar a concretizar o sonho de muitos casais: ter uma família. E isto em todas as fases do ciclo reprodutivo.

Um trabalho que passa também pela informação, essencial para o aumento da literacia, através da realização de várias campanhas de sensibilização, que se estendem a outras áreas. «A nossa presença é forte na oncologia e imuno-oncologia, na área cardiometabólica e na neurologia e imunologia. Temos vindo a crescer, de uma forma sustentada, sobretudo em áreas como hipertensão, insuficiência cardíaca, doenças endócrinas, diabetes, mas também do tratamento de distúrbios da tiroide e ainda na esclerose múltipla e oncologia. O que, de facto, nos motiva e nos conduz no nosso trabalho, de forma incansável, é a missão de criar, melhorar e prolongar vidas e, finalmente, oferecer o maior benefício possível a milhões de pessoas em todo o mundo», conclui Pedro Moura.

 

Este artigo foi publicado na edição de Abril (n.º 136) da Human Resources, nas bancas.

Caso prefira ler online, tem disponível a versão em papel e a versão digital.

Ler Mais
pub


Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

*