“Causar um impacto positivo na vida dos outros”

Empreendedor e global shaper, Fred Castro surpreendeu todos com a apresentação apelidada de “O propósito está onde menos se espera”, na XVIII Conferência Human Resources.

 

Tudo começou com uma simples pergunta à plateia: «Lembram-se onde estavam no 11 de Setembro?». Muitos braços no ar confirmavam essa memória, mas à pergunta «e no 16 de Setembro, lembram-se onde estavam?» já não foi assim tão fácil. A intenção deste exercício? Provar que as memórias são constituídas por emoções. Assim, e para que o dia de ontem ficasse na memória de todos os que marcaram presença no Museu do Oriente, Fred Castro fez um pedido, «levantem-se e gritem tal como grita Cristiano Ronaldo». Todos o fizeram.

Fred Castro revelou que tem no propósito o seu tema preferido, e isto tem tudo a ver com o seu trajecto de vida, que ficou marcado quando, aos 19 anos, altura em que, estando a estudar na universidade, se sentiu completamente desmotivado e sem nenhum propósito. «Deixei a Universidade Nova onde estudava e decidi lançar a minha empresa, o que veio a acontecer em 2014», partilhou com a audiência, confessando que nada aconteceu. «Depois de lançar a empresa nada mudou, estava tudo igual o que me fez mudar de atitude. Nessa altura percebi que a forma mais rápida de alcançar os nossos objectivos é procurar as pessoas que conseguiram alcançar aquilo que pretendemos, perceber como o conseguiram e aprender com elas, seja através de livros, de seminários ou de conversas».

A estratégia resultou e, aos 22 anos, Fred Castro era já um bem-sucedido empresário, «mas faltava-se alguma coisa, alguma emoção», admitiu. Para Fred, as emoções determinam a nossa qualidade de vida, independentemente do que se passa à nossa volta. Com esse enfoque em mente, decide viajar. «Rumei até à Ásia onde estive dois meses para procurar o meu propósito. Regressei mais calmo e mais focado. Tirei então algum tempo para reflectir e para responder à pergunta: qual é o meu real propósito?». A resposta, encontrou-a numa evidência, «o meu trajecto tinha sido tão rápido, tão acelerado, que aos 22 anos percebi que o meu propósito era partilhar essa experiência, os seus ensinamentos com os outros». Resposta essa não isenta de dúvidas sobre que que iriam os outros achar disso, um miúdo a querer partilhar a sua experiência.

Percebeu então que a vida é uma eterna luta entre os desejos e os medos, «são duas forças que integram a nossa existência e sobre as quais precisamos de constantemente escolher». Acabou por se deixar levar pelo medo, e deixar-se ficar confortável, mas viria a voltar a pôr tudo em causa. «As pessoas só mudam por inspiração ou por desespero», constatou. «Nessa altura mudei pois queria causar um impacto positivo na vida dos outros». Desta vez, quis dar ouvidos à sua essência, mudar de vida, cria visibilidade. E começar a trabalhar com empresas. «Hoje a retenção de talento nas empresas é um tópico recorrente», mas é uma questão muito simples de resolver, «basta saber preencher as necessidades dos outros que as pessoas ficam, não vão embora».

Hoje Fred Castro ajuda quem tem o desejo de levar o seu talento ao próximo nível. E foi um exemplo disso mesmo que levou à Conferência da Human Resources. «Todos sabemos tomar a decisão para seguir para a próxima etapa da nossa vida», concluiu.

Por Sandra M. Pinto

 

 

 

Ler Mais
Artigos relacionados
Comentários
A carregar...

MULTIPUBLICAÇÕES

Marketeer
Guerra do streaming: consumidores dão oportunidade aos novos players
Automonitor
Chevy Suburban: O primeiro carro com uma estrela em Hollywood