Como o novo normal está a mudar o futuro da Gestão de Pessoas?

A COVID-19 causou disrupção nas economias e nas empresas, e os Recursos Humanos (RH) têm estado no seu centro. Com as organizações agora a caminho da recuperação, o papel da Gestão de Pessoas está a tornar-se ainda mais importante. Isso mesmo defende a PwC, que identifica os três temas essenciais que irão marcar o futuro RH.

 

Por Randa Bahsoun, Khaled Bin Braik, Boudy Kassis e Ahmed Khairat, da PwC Médio Oriente

 

Como irá mudar a perspectiva sobre saúde e segurança no trabalho como resultado da COVID-19? Como é que a adopção do trabalho à distância irá afectar a cultura organizacional e as operações do dia-a-dia? Quais as implicações sociais de uma tal transformação no envolvimento e comunicação com os colaboradores? As questões são intermináveis quando se tenta prever o futuro impacto e o papel dos Recursos Humanos pós-COVID-19. Uma coisa é certa, a pandemia e o seu efeito inerente nas empresas realçaram a necessidade da adaptabilidade e resiliência da mão-de-obra de hoje, aceleraram a mudança para uma nova economia digital e acentuaram a importância da Gestão de Pessoas no novo normal.

A Gestão de Pessoas vai (ou pode) assumir um papel central no contexto da pandemia através de três temas essenciais, que irão marcar o futuro dos Recursos Humanos: redefinir a organização, liderar a transformação das pessoas e promover a mudança. Cada um destes temas desdobra-se e consubstancia- se em outros três.

 

1. Redefinir a organização

– Cultura centrada no ser humano: Redefinir a cultura organizacional através da mudança para um local de trabalho centrado nas pessoas

– Estruturas organizacionais ágeis e flexíveis: Introduzir novas estruturas para aumentar a flexibilidade e a produtividade da força de trabalho

– Saúde e segurança – a nova prioridade: Maximizar a saúde e segurança no trabalho, concentrando-se no bem-estar físico e mental

 

2. Liderar a transformação das pessoas 

– Esquemas de recompensas personalizados: Realinhar as recompensas com as realidades do mercado através de estruturas de compensação adaptáveis e personalizadas

– Desempenho e produtividade interligados: Reavaliar o desempenho e a gestão da sucessão para complementar uma força de trabalho ágil e dinâmica

– Competências para o futuro: Reforçar a agenda de aprendizagem e desenvolvimento através da requalificação digital

 

3. Permitir a mudança

– Tomar decisões com base em dados: Aproveitar a análise da força de trabalho para promover a tomada de decisões baseada em dados

– Aquisição e recrutamento de pessoal com capacidade técnica: : Repensar a procura e o recrutamento de talentos através da adopção de tecnologias emergentes e diversos conjuntos de competências

– Digital hoje, não amanhã: : Acelerar a agenda da transformação digital através da integração de tecnologias disruptivas

 

Leia o artigo na íntegra e saiba como promover cada um destes tópicos, na edição de Outubro da Human Resources. E conheça também a opinião dos especialistas:

– Ana Rita Lopes, directora de Recursos Humanos do Grupo Nabeiro-Delta Cafés

– Catarina Horta, directora de Capital Humano do Novo Banco

– Clara Celestino, Human Resources lead da Microsoft Portugal

– Clara Raposo, presidente do ISEG – Instituto Superior de Economia e Gestão

–João Zúquete da Silva, chief Corporate officer da Altice Portugal

–Nelson Ferreira Pires, director-geral da Jaba Recordati Portugal, Recordati UK/Recordati Ireland

–Miguel Setas, CEO da EDP Brasil e administrador da EDP

–Pedro Ramos, director de Recursos Humanos da TAP Air Portugal

–Pedro Raposo, director de Recursos Humanos do Banco de Portugal

–Tiago Brandão, director-geral da The Browers Company


Nas bancas. Caso prefira comprar online, pode comprar a versão em papel ou a versão digital.

Ler Mais
pub


Comentários
A carregar...