Emprego deverá subir entre 6 a 17% entre Julho e Setembro (prevêem-se mais contratações a Norte e Sul)

Os empregadores nacionais esperam um clima de contratação positivo no terceiro trimestre de 2021, sendo esta a previsão do ManpowerGroup Employment Outlook Survey, que apresenta uma projecção para a criação líquida de emprego de +5%, para o período de Julho a Setembro, a qual representa uma subida de 6 e de 17 pontos percentuais em relação ao trimestre anterior e ao período homólogo de 2020.

 

No estudo, que apresenta, pela primeira vez, os dados relativos a Portugal ajustados sazonalmente, são avançados sinais encorajadores para os candidatos, no próximo trimestre: dos 552 empregadores nacionais entrevistados, 10% preveem um aumento do seu contingente laboral, 2% projectam um decréscimo e 80% não antecipam nenhuma mudança, resultando assim numa projeção, não corrigida de sazonalidade, de 8%.

Contratações de restauração e hotelaria crescem 41 pontos percentuais face ao terceiro trimestre de 2020

Os empregadores dos sete sectores de actividade analisados preveem um crescimento do mercado de trabalho durante os próximos três meses. Contudo, é o sector de Finanças e Serviços que apresenta os planos de contratação mais fortes, com uma projeção para a criação líquida de emprego de +15%, e um notável crescimento de 38 pontos percentuais, face ao terceiro trimestre de 2020, bem como de 12 pontos percentuais, quando comparado com o trimestre anterior.

Mais cautelosas, mas mesmo assim optimistas, são as intenções de contratação para o sector de outras actividades de serviços, onde se prevê uma projeção de +9%, uma melhoria de 9 pontos percentuais face ao último trimestre. «Esta projeção é o resultado do efeito combinado observado no subsector Público, onde as perspectivas de contratação continuam a mostrar sinais encorajadores, e se situam em +7%, e do subsetor de Transportes, Logística e Comunicações, onde a projeção é de alguma estabilidade nas contratações, com +3%», refere o ManpowerGroup em comunicado, referindo que «embora ambos os setores melhorem a sua projeção face ao trimestre anterior, numa comparativa anual o sector Público cai 3 pontos percentuais, enquanto nos Transportes, Logística e Comunicações se observa um crescimento de 23 pontos percentuais».

O sector de Outras actividades de Produção, que reúne o sector Agrícola e o sector do Fornecimento de Eletricidade, Gás e Água, reporta uma projeção de +8%, o mesmo valor que apresenta também a actividade Industrial. «Ambos os sectores apresentam uma evolução positiva relativamente ao trimestre anterior, de 8 e 13 pontos percentuais, respectivamente, sendo que, no sector Industrial, a evolução relativamente ao mesmo período de 2020 é das mais acentuadas, aumentando de 19 pontos percentuais», revela o ManpowerGroup.

Igualmente positivos estão os empregadores do sector da Construção, que preveem um ritmo de contratação modesto, ao avançarem com uma projeção de +6%, 8 pontos percentuais mais elevada do que no último trimestre. «Já o sector da Restauração e Hotelaria perspectiva uma criação líquida de emprego de +4%, uma projeção comedida, mas que representa o crescimento mais notável de todos os sectores, aumentando em 14 pontos percentuais de trimestre para trimestre e em 41 pontos percentuais na comparativa ano a ano».

Mais cautelosos estão os empregadores do Comércio Grossista e Retalhista, que perspectivam uma projeção para a criação líquida de emprego de +2%, um aumento de 5 pontos percentuais desde o último trimestre e de 13 pontos percentuais relativamente ao período de Julho a Setembro de 2020.

Fortes previsões de contratação para as regiões Norte e Sul

Para os próximos três meses, prevê-se um aumento da força de trabalho em todas as regiões de Portugal Continental, com o Norte e o Sul a registarem a projeção mais optimista, de +10%, enquanto que, no Centro, as perspectivas de contratação se situam ligeiramente abaixo, nos +3%.

«As intenções de contratação saem reforçadas em todas as regiões quando comparadas com o trimestre anterior, com um registo notável de mais 18 pontos percentuais no Sul», avança o survey, «nas outras regiões, são reveladas melhorias de 9 e de 8 pontos percentuais no Centro e no Norte, respectivamente. Em comparação com o mesmo período do ano anterior, a projeção é consideravelmente mais forte nas três regiões, observando-se uma melhoria de 19 pontos percentuais no Norte, de 17 pontos percentuais no Sul, e de 13 pontos percentuais, no Centro».

Com uma previsão de actividade de contratação mais cautelosa está a Grande Lisboa, «onde os empregadores apontam para uma projeção de +3%. No entanto, este valor mostra uma evolução positiva, já que está acima, em 11 pontos percentuais, do valor apresentado no trimestre anterior e 20 pontos percentuais em relação ao mesmo período de 2020».

Prevê-se também um aumento favorável das contratações na área do Grande Porto, onde a Projeção para a Criação Líquida de Emprego, para os próximos três meses, é de +11, «valor que representa um aumento de 6 e de 21 pontos percentuais, em comparação com o trimestre anterior e com o período homólogo do ano anterior».

São as médias empresas as que mais preveem contratar

Independentemente da dimensão, entre Julho e Setembro, as empresas nacionais esperam fazer crescer a sua força de trabalho. «As organizações de média dimensão são, porém, as que preveem um ritmo de contratação mais acelerado, com uma projeção para a criação líquida de emprego de +12%, em contraciclo com a previsão negativa de -1% do trimestre anterior», avança o survey, que revela ainda que as «grandes empresas preveem uma actividade de contratação moderada, com uma projeção de +7%, 4 pontos percentuais acima do trimestre anterior, enquanto que as pequenas e microempresas antecipam uma projeção de +5% e +4%, respectivamente, pelo que quando comparadas com o trimestre anterior, as projeções sobem 6 e 10 pontos percentuais, respectivamente».

 

 

Ler Mais
pub


Comentários
A carregar...