Great Place to Work: Um importante factor de permanência: Bem-estar

A forma como as empresas abordam a temática do bem-estar das suas pessoas irá influenciar o futuro do local de trabalho.

 

Actualmente, as organizações enfrentam vários desafios, mas um dos principais é como abrandar ou até parar a rotatividade de colaboradores. Os motivos para o elevado turnover variam de empresa para empresa, mas há uma área do employee experience que não deve ser ignorada e deve ser colocada na lista de prioridades: o bem-estar.

Preocupar-se com o bem-estar dos colaboradores significa cuidar ou ter em atenção para além da saúde física e do trabalho que eles desempenham. O bem-estar é importante porque quando os colaboradores têm experiências consistentemente positivas nas áreas que contribuem para um alto nível de bem-estar, eles podem crescer tanto dentro, como fora do trabalho. De acordo com uma pesquisa da Great Place to Work, em associação com a Universidade Johns Hopkins o bem-estar dos colaboradores afecta directamente a retenção e as recomendações efectuadas.

A employee experience é influenciada por muitos factores, mas cinco são fundamentais para criar um ambiente de trabalho onde “reina” o bem-estar: apoio mental e emocional, senso de propósito, apoio pessoal, saúde financeira e relações significativas. Ao focar-se numa ou mais destas áreas, as empresas podem construir um local de trabalho mais saudável. Colaboradores em todo o mundo experimentam várias lacunas no propósito e nas relações, dois aspectos essenciais ao seu bem-estar, evidenciado pelo facto de quatro em cada cinco colaboradores não estarem a desenvolver-se no trabalho.

A boa notícia é que o bem-estar dos colaboradores pode ser apoiado e promovido pela empresa, e mais concretamente pela sua liderança, e a Great Place to Work Portugal pode ser a parceira ideal neste processo, ao ajudar as empresas na criação ou adaptação de um programa de wellbeing e na sua respectiva implementação, assim como realizar a monitorização e avaliação do seu impacto na empresa. Estes projectos de consultoria desenrolam-se habitualmente em três fases: diagnóstico, onde é feito um survey à totalidade dos colaboradores, acerca do actual estado da organização na área do bem-estar e uma análise às práticas existentes que influenciam o bem-estar de cada colaborador; criação e implementação, identificação das práticas a adoptar, resultantes da realização de workshops e focus group, sendo criados planos de acções e de políticas a implementar; e, por último a monitorização e avaliação, através de indicadores específicos para medição dos níveis de bem-estar em geral dos colaboradores na empresa.

Muitas empresas tentaram reparar o mal-estar dos colaboradores com “pensos rápidos”, como são exemplos as aplicações de meditação e smartwatches. Mas, como qualquer problema na vida, deve descobrir- se a causa e resolvê-la, caso queira encontrar a melhor solução e a mais duradoura, e os nossos serviços de consultoria reflectem esta abordagem. E a nossa experiência diz-nos que as seguintes sete práticas são fundamentais para ajudar a liderança a melhorar o bem-estar dos colaboradores:

  1. Medir o bem-estar dos colaboradores regularmente: As necessidades dos colaboradores são individuais e estão sempre em evolução, o que torna o survey, a escuta e a medição, ferramentas essenciais para entender as actuais experiências e assim criar ou adaptar estratégias para apoiá-los.
  2. Enviar sinais simples e fortes de que o bem-estar é realmente importante: Um passo fundamental para saber a carga emocional que os colaboradores enfrentam é permitir que estes saibam que a empresa e os líderes se importam e apoiam-nos. Isso pode ser tão simples quanto os próprios líderes modelarem o comportamento.
  3. Conectar os colaboradores com especialistas: O bem-estar precisa de personalização, tornando os coachs, especialistas e conselheiros recursos fundamentais para orientar os colaboradores no desenvolvimento de estratégias e competências para lidar com os seus problemas, pontos fortes e valores. Isto é particularmente importante na área da saúde mental, área em que os Best Workplaces estão a alargar rapidamente o seu apoio.
  4. Criar influencers locais: O bem-estar é uma experiência moldada pelas interacções pessoais e dinâmicas de grupo que os colaboradores vivenciam diariamente. Permitir que os colaboradores ao nível da equipa sirvam como modelos e influenciadores pode inspirar outros a também defender um clima de bem-estar.
  5. Promover um ambiente de desenvolvimento e aprendizagem contínua: Melhorar a capacidade dos colaboradores em alcançar um melhor e maior bem-estar com cursos de autodesenvolvimento, mentoria e comunicação aberta sobre as aspirações profissionais e a harmonia entre vida profissional e pessoal.
  6. Dar empowerment às pessoas: Permita que os colaboradores tenham autonomia no desenvolvimento das suas tarefas e do seu trabalho. É importante, também, evidenciar a importância do papel de cada um nos resultados da empresa. Tudo isto contribui para um sentimento de controlo e propósito, elementos-have para promover uma sensação de bem-estar.
  7. Estimular a adopção de um estilo de vida mais saudável: Estimule a realização de actividade física. Encoraje os colaboradores a ter um estilo de vida mais saudável através do exercício físico, boa alimentação e checkups de saúde. Adopte programas que promovam o equilíbrio entre vida pessoal e profissional.

A preocupação com o bem-estar é tão importante para o bom funcionamento das empresas como para a sua longevidade e sucesso no mercado. E esta preocupação irá fomentar uma cultura de confiança empresa, assim como melhorar a vida, tanto profissional, como pessoal dos seus colaboradores. De referir que 85% dos colaboradores dos Best Workplaces em Portugal dizem que a sua liderança preocupa-se consigo, como pessoa, e 86% afirmam trabalhar num ambiente psicológica e emocionalmente saudável. Isto é, não restam dúvidas que preocupar-se com o bem-estar das suas pessoas é fundamental para criar um excelente lugar para trabalhar.

 

TESTEMUNHO

Fidelidade

«O bem-estar das nossas pessoas sempre foi muito importante e é um tema no qual temos vindo a apostar. No entanto, nos últimos anos, percebemos que fruto das mudanças na sociedade e no mundo, precisávamos de fazer mais para garantir que as nossas pessoas estavam bem. Com a ajuda da Great Place to Work percebemos como as nossas pessoas se sentiam. Os resultados mostram que duas em cada três estão satisfeitas com o seu bem-estar e que há ainda um caminho a percorrer. Ao divulgarmos os resultados junto da organização assumimos a responsabilidade de continuar a trabalhar para melhorar o bem-estar geral das nossas pessoas, e acreditamos que é, sem dúvida, um dos desafios das organizações, no qual vamos continuar a investir.»

Rita Lago, Responsável da área de Culture& People Engagement do Grupo Fidelidade

 

Este artigo faz parte do Caderno Especial “Consultoria” publicado na edição de Outubro (n.º 142) da Human Resources.

Caso prefira comprar online, tem disponível a versão em papel e a versão digital.

Ler Mais



loading...

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.