Índice da Excelência: Medir o pulso à organização

Numa altura em que a guerra pelo talento é feroz, o desafio que se impõe às organizações é tornarem-se mais proactivas e atentas em todos os âmbitos da Gestão de Pessoas. E apoiar a melhoria da satisfação global dos colaboradores é precisamente aquilo a que o estudo Índice da Excelência se propõe.

 

Por Gonçalo de Salis Amaral

 

Depois do habitual período de descanso, estão recarregadas as baterias para um novo ciclo de trabalho. É este o momento para voltar a olhar para as suas pessoas, monitorizar a sua satisfação e avaliar o nível de excelência
das suas práticas de capital humano.

Medir o pulso à organização é a forma mais eficaz de compreender se os seus colaboradores estão efectivamente comprometidos com a empresa e com os objectivos do negócio.

O Índice da Excelência é o maior estudo de clima organizacional e desenvolvimento do Capital Humano, gratuito, em Portugal, e tem-se revelado uma ferramenta de gestão relevante e robusta na compreensão da relação entre as organizações e os seus colaboradores.

A caminho da quarta edição, a crescente adesão de empresas – cerca de 200 em 2018 –, dos mais variados sectores de actividade e dimensão, permite analisar a progressão desta relação, consolidar o benchmark de mercado, e compreender as tendências no que diz respeito a comportamentos, opiniões, expectativas dos colaboradores e práticas implementadas pelas organizações. Em cada edição, onde é garantida total confidencialidade dos dados, são premiadas as organizações que apresentem um melhor clima organizacional, pelo que a participação das empresas apenas se torna pública pelos bons resultados (top 10 por dimensão e/ou primeiro lugar por macro sector de actividade).

Sendo um estudo dinâmico, tem-se ajustado às necessidades e exigências do mercado, verificando-se adaptações face aos novos desafios impostos pela Era Digital, seja no âmbito das práticas organizacionais, seja no contexto dos novos talentos emergentes e sua diversidade. Da mesma for- ma, o estudo encontra-se agora disponível para participação em qualquer altura do ano, tendo apenas o final de Novembro como data limite para efeitos de cálculo de ranking e atribuição dos prémios anuais.

Adicionalmente, foram implementadas melhorias nos layouts e apresentação dos vários relatórios disponíveis, tornando-os mais apelativos e facilitando a leitura da informação mais relevante de suporte à tomada de decisão.

 

Resultados concretos
Esta ferramenta estatística e de gestão tem-nos, igualmente, revelado uma progressão ao longo dos anos tanto no ranking, como nas especificidades das várias dimensões que contribuem para a satisfação global do capital humano em contexto organizacional. A título de exemplo, e de forma geral, o Índice da Excelência demonstra que, independentemente do sector ou dimensão da organização, a satisfação dos colaboradores tem vindo a evoluir positivamente, quando acompanhada pela gestão na implementação de medidas adequadas e inovadoras. No entanto, esta resposta por parte das organizações não tem sido feita ao mesmo ritmo. Os colaboradores das médias empresas assumiram-se como os mais satisfeitos no último ano, evidenciando uma acção eficaz e eficiente por parte da sua gestão.

Leia o artigo na íntegra na edição de Setembro da Human Resources, nas bancas.

Nota: As inscrições para participar na edição 2019 do Índice da Excelência estão abertas até final de Novembro, em www.indicedaexcelencia.com.

Ler Mais
Comentários
A carregar...

MULTIPUBLICAÇÕES

Marketeer
YouTube faz 15 anos: o que mudou e o que ainda vai mudar
Automonitor
Presidente promulga diploma sobre alteração de matrículas automóveis