Intelcia: Cultura assente num ADN humano

Na Intelcia acredita-se que o sucesso de uma empresa vai muito além do seu desempenho financeiro. É uma convicção que está no ADN da empresa, que se centra no ser humano e na riqueza da sua diversidade.

 

Por Carla Marques, country manager da Intelcia Portugal

 

Há 20 anos que a Intelcia apoia os clientes locais e internacionais, actuando em diversos sectores e indústrias, na criação de valor e na optimização da experiência do cliente. «Contamos com a experiência e capacidade técnica dos nossos mais de 16 mil colaboradores, comprometidos com uma qualidade de serviço contínua, com a nossa proximidade, agilidade e espírito empreendedor», garante Carla Marques, country manager da Intelcia Portugal.

A cultura corporativa da organização assenta numa gestão, orientada para valores e num ADN humano, integrando uma forte dimensão social que garante a sustentabilidade e continuidade das operações. A responsável acredita que é isso que os torna únicos e os une. «São os valores em que acreditamos.»

É na gestão de recursos humanos que a Intelcia se pretende diferenciar, através de uma actuação próxima, transparente, de confiança, de desenvolvimento de carreiras e de aposta na responsabilidade social. «O sucesso de uma empresa vai muito além do desempenho financeiro», defende Carla Marques. «Esta é uma convicção que está no nosso ADN, centrarmos o foco no ser humano e riqueza da sua diversidade».

Em Portugal, a estratégia passa pelo apoio às operações da Altice em território nacional e no mercado internacional através de operações multilingue, com a ambição de ser um dos maiores players no mercado português na área de Contact Center. «O projecto da Altice correu muito bem. Previamente, houve um trabalho de alinhamento operacional e de comunicação entre a Altice e a Intelcia. Acolhemos cerca de dois mil colaboradores de diferentes regiões e áreas de negócio. Este movimento foi muito bem acolhido pelos colaboradores e sindicatos. São equipas extremamente profissionais, com forte conhecimento do sector e uma visão de gestão de pessoas alinhada com os valores da Intelcia. Certamente que, em conjunto e com a experiência de 20 anos da Intelcia neste sector, iremos construir um projecto de sucesso em Portugal.»

Nos últimos tempos, e por consequência da situação que estamos a passar, o teletrabalho ganhou importância. Carla Marques considera que as organizações não estavam preparadas para esta pandemia, que veio alterar o mundo do trabalho. «O teletrabalho veio assumir agora a sua preponderância nos call centers», constata. «Acredito plenamente que, depois da experiência desta pandemia e de se exigirem condições de teletrabalho, o sector dos call centers vai passar a ter uma forte percentagem de colaboradores nesta forma de trabalhar.»

Na perspectiva da gestão das operações, Carla Marques verifica que existe menos absentismo nas operações, mas que existe a necessidade de implementar formas de controlo à distância que assegurem o cumprimento dos SLA das operações dos seus clientes. «De forma a garantir a nossa cultura e o nosso ADN nas equipas, é importante implementar formas de reunir “quick meetings” e de comunicar entre as mesmas.»

Para a responsável, as condições de teletrabalho vão ser um dos factores para a tomada de decisão para novos projectos. «Isto obriga a uma maior flexibilidade na jornada de trabalho, que poderá ser reduzida em detrimento do bem-estar familiar e pessoal», afirma. Na visão de Carla Marques o profissional do futuro, independentemente das sua atribuições técnicas, «será motivado e movido pelas suas realizações pessoais, trabalho social e qualidade de vida».

 

Este artigo faz parte do Caderno Especial “Outsourcing”, publicado na edição de Abril da Human Resources.

Ler Mais


Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

*