Natal significa emprego para milhares de portugueses

O Natal começou a animar mais cedo os negócios. Para responder à forte afluência de clientes, as principais marcas e empresas de recrutamento começaram a disparar ofertas de emprego. Com duração limitada, as contratações arrancaram em Outubro, fazendo agitar o mercado de trabalho quase tanto como na época estival.

 

«Esta é uma altura em que a economia mexe bastante, ainda para mais com estas grandes empresas e marcas a fazer promoções e ofertas na aquisição dos seus produtos», explica à Executive Digest o presidente da Associação Portuguesa das Empresas do Setor Privado de Emprego e de Recursos Humanos. Carlos Figueiredo prevê «alguns milhares» de ofertas dos «maiores grupos» do retalho especializado e alimentar, hotelaria e restauração, logística e transportes e, ainda, telecomunicações.

Não fosse esta a altura dos brinquedos por excelência, os números da Toys’R’Us impressionam. A multinacional norte-americana contratou 1500 pessoas para reforçar as equipas das lojas e armazéns em todo o país durante a quadra festiva. Oferecem trabalho temporário, celebrando contratos que vão de dois a três meses.  Ainda assim, as necessidades mantêm-se em linha com o ano passado, adianta fonte oficial da retalhista. 

No El Corte Inglés, as contratações para esta época iniciaram-se em Setembro. Desde aí, entraram 600 colaboradores temporários no grupo espanhol, para reforçar as áreas de logística, vendas, supermercado, serviços ao cliente e de embrulhos.

Também na Sonae, dona do Continente, da Worten e dos centros comerciais Colombo e Vasco da Gama, a época do Natal é «um período de procura acima do normal, com reflexo no aumento de vendas». Segundo fonte oficial, em meados de Outubro, as marcas da Sonae Fashion (Salsa, Zippy e MO) iniciaram o processo de recrutamento para mais de 300 vagas a nível nacional, nomeadamente para customer e Sales assistant, em regime de part-time e full-time, por períodos que rondam os dois meses.  E, «em caso de bom desempenho, podem ser convidados a reforçar as equipas base de retalho». 

Mas nem só de compras se faz o Natal. As empresas especializadas em recrutamento registam também pedidos de trabalho temporário para hotéis, logística e eventos, para responder à demanda nesta época.

A Randstad fala numa procura de aproximadamente 500 pessoas, tendo em conta os pedidos recebidos até agora, «muito equivalente ao do ano anterior», segundo avança Vítor Peliteiro, director de Staffing da Randstad Portugal. E não só do retalho. Também as empresas do sector logístico, eventos e hotelaria esperam um pico de actividade. O maior volume de pedidos chega da Grande Lisboa, Porto e Funchal, com ofertas de cinco a 40 dias. 

Os dados da Adecco, empresa especialista em outsourcing de recursos humanos e trabalho temporário, corroboram. Na empresa, o retalho é o sector do qual chegam mais pedidos de candidatos até à época de saldos em Janeiro. A aposta recai, principalmente, em operadores de loja, repositores e, a nível logístico, operadores para cargas e descargas, no seguimento do que se tem assistidos nos anos anteriores.

A Adecco prevê que o volume de emprego temporário tenha um valor estável em relação ao Natal anterior. «Sustentado pela procura registada através de pedidos até ao momento, a marca prevê um volume muito idêntico ao do ano anterior», refere Vânia Borges, responsável da área de Trabalho Temporário da Adecco. O retalho é o sector que mais está a recrutar, no seguimento do que se tem assistido nos anos anteriores.

Na Egor, os sectores onde se tem sentido uma maior necessidade de recursos humanos são o retalho e a logística, num total de 250 pedidos, «nos mesmo níveis de 2018», adianta Luís Carvalho, Area manager Sul de Trabalho temporário do grupo. Por norma, pedem disponibilidade total, incluindo em fins-de-semana e feriados, durante um período de cinco a sete dias. Existem, inclusive, trabalhadores que já iniciaram funções em Novembro e a expectativa é que continuem, pelo menos, até meados de Janeiro, sendo que «é possível que mais de 50% destas pessoas venham a ser absorvidas pelos clientes». 

Entre as funções mais procuradas incluem-se as de assistente de loja, promotor e operador de armazém. A Norte, os pedidos prendem-se essencialmente com as unidades Lidl para reforço das equipas e com a Casa Angola que exporta cabazes de Natal, acrescenta ainda Maria João Sebastião, directora executiva Norte de Trabalho Temporário da Egor.

Do lado da ManPower, no entanto, registam-se 300 pedidos, um número ligeiramente abaixo face ao ano anterior, contabiliza Vítor Antunes, Managing director da Manpower Portugal. Normalmente, os contratos têm a duração de dois meses.

Ler Mais
Comentários
A carregar...

MULTIPUBLICAÇÕES

Marketeer
Trotinetes hive chegam à app Free Now
Automonitor
Os últimos 100 anos de publicidade Citroën por Jacques Séguéla