OE2022: Governo quer ter 1500 vagas de acolhimento de emergência até 2023

O governo prevê ter disponíveis 1500 vagas para acolhimento de emergência até 2023, adiantou a secretária de Estado para a Inclusão, segundo a qual a meta é ter 500 dessas vagas disponíveis até ao final de Setembro deste ano.

As 1500 vagas fazem parte da Bolsa Nacional de Alojamento Urgente e Temporário, uma resposta para pessoas que precisam de um alojamento de emergência ou de transição e segundo Ana Sofia Antunes o governo tem uma meta intermédia, estando a trabalhar para que até ao final do terceiro trimestre deste ano estejam disponíveis já 500 dessas vagas de emergência, seja em acolhimento temporário ou em residências de transição.

A secretária de Estado adiantou que foi aberto um concurso recentemente, que já recebeu em 2800 candidaturas às vagas disponíveis.

A equipa do Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social está a ser ouvida no parlamento no âmbito da apreciação do Orçamento do Estado para 2022 (OE2022), estando a ministra Ana Mendes Godinho ausente por motivo de doença.

A Bolsa Nacional de Alojamento Urgente e Temporário tem como objectivo dar resposta a quem precisa de um alojamento seja por uma emergência (devido a um acontecimento excepcional) ou de transição (situações que precisam de acompanhamento antes de passarem para uma solução de habitação definitiva), tendo em vista a sua inclusão social, combate às desigualdades e proteção social.

De acordo com a informação disponível, «a constituição da oferta de alojamento será concretizada diretamente por entidades públicas ou por entidades do sector privado e social, com competências nesta matéria, de forma individualizada ou em parceria, e terá por base a aquisição, reabilitação ou construção de unidades residenciais».

Os objectivos definidos passam por dois mil alojamentos de emergência ou de acolhimento para respostas de transição, além de 473 fogos, três blocos habitacionais e cinco centros de instalação temporários e espaços equiparados.

Em matéria de respostas sociais, o secretário de Estado da Segurança Social, Gabriel Bastos, reiterou que no próximo ano avança a atribuição automática do abono de família, salientando que esta é uma medida incluída no programa de transição digital, que contempla a dimensão do sítio contributivo ou a automatização da atribuição das prestações.

De acordo com o secretário de Estado o caminho definido pelo governo é o do «aprofundamento da solidariedade, apostando numa agenda social transformadora ao serviço do crescimento inclusivo, ou seja, um país com mais progresso».

Ler Mais
pub


Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

*