Porque é cada vez mais importante o outsourcing no recrutamento?

O outsourcing foi inicialmente visto, no Reino Unido, como uma forma de reduzir custos e passar tarefas menores de contacto com o cliente para outras empresas, e por vezes, para outros países. 

 Por Wanda Goldwag – Administradora não-executiva da True North Human Capital

No entanto, se esta prática teve um impacto positivo nos orçamentos das empresas, já o reflexo das mesmas nos serviços ao consumidor e percepção da marca sempre foi bastante mais problemático.

A nova grande tendência é o outsourcing em Tecnologias de Informação – com as empresas a reduzirem riscos, melhorarem o seu acesso a competências técnicas e a colocarem um centro de custos e gestão de projectos algo difíceis nas mãos de especialistas que verdadeiramente acrescentavam valor aos processos dos decisores.

Hoje, muitos aspectos do trabalho de Recursos Humanos também estão a ser objecto de outsourcing. O primeiro tipo de outsourcing aconteceu em empresas em que um grande número de pessoas com características semelhantes tinha de ser recrutado com frequência, como num grupo de 1000 pessoas em call center, em que a taxa de abandono pode ser de 30% ao ano. O serviço a fornecer passava por gerir de forma eficiente e eficaz do ponto de vista dos custos o volume de comunicações – os serviços de valor acrescentado não eram importantes.

A tendência no outsourcing de RH está hoje a começar a seguir o modelo das Tecnologias da Informação, onde o que é importante é aceder às metodologias mais recentes e especialização técnica, entregando a função em regime de outsourcing a uma empresa especializada.

Este fenómeno acontece por várias ordens de razões. Claramente, o downsizing dos departamentos de RH tem levado muitas vezes à ausência de competências, em tarefas como criar anúncios de recrutamento ou atrair candidaturas ou gerir o processo de recrutamento.

Isto tem vindo a tornar-se cada vez mais difícil porque, como mostram os números mais recentes, existem no Reino Unido, em média 10 candidatos por cada vaga de trabalho anunciada. Numa área do Sudoeste do país, há 60 candidatos para cada posto de trabalho disponível. Por isso, o desafio é organizar um processo justo e sensato, que filtre de forma eficiente as candidaturas mas assegure que as pessoas certas integram a lista final de candidatos e sejam incentivadas a integrar a empresa.

Por último, como no mundo das Tecnologias da informação, os processos de negócio estão a mudar a um ritmo tal que apenas uma empresa focalizada profissionalmente nesta área pode conseguir manter-se na linha da frente da inovação e assegurar que a sua empresa localiza os melhores candidatos.

Muitas ofertas de emprego são hoje anunciadas apenas online, pelo que a primeira fase de leitura de currículos e testes psicométricos já é feita sem qualquer contacto com qualquer membro da empresa que está a recrutar. Conceber e gerir este processo é um procedimento altamente especializado. Isto porque é necessário equilibrar a necessidade de informação com a facilidade de utilização do site e a um insight genuíno a efectuar relativamente a cada candidato, assegurando em simultâneo igualdade de oportunidades e a obediência a outros requisitos legislativos.

Os avanços tecnológicos também estão a tornar muito mais difícil que uma equipa interna de RH ganhe a batalha do talento, com tantas outras prioridades. É conhecido que 60% dos postos de trabalho são preenchidos em função de algum tipo de networking pessoal; antigamente, isto queria dizer por ”cunha” e “através de amigos”. Hoje, isto significa antes algo como sites como o Linked In e outros sites de redes sociais a que os profissionais de recrutamento acedem a potenciais candidatos, referenciando-os mesmo antes de alguma abordagem formal ser efectuada. Comunicar vagas de trabalho de forma atractiva para os candidatos e pessoas dispostas a sugerir colegas é uma verdadeira ciência.

Quanto mais especializada a função, mais difícil é assegurar que as pessoas certas vêem o anúncio e estão dispostas a responder. O segredo é conseguir, não 2000 respostas, mas que as cinco pessoas do mundo que melhor conseguiriam desempenhar a função respondam ao anúncio.

É por isso que o outsourcing na área do recrutamento se tem vindo a tornar essencial para os negócios mais dinâmicos.

Notícias relacionadas:

Entrevista a José Galamba de Oliveira – Outsourcing: Retrato do sector

Caso: Outsourcing

Outsourcing de HR: tema tabu ou cartilha de salvação?

Ler Mais
Comentários
A carregar...

MULTIPUBLICAÇÕES

Marketeer
YouTube faz 15 anos: o que mudou e o que ainda vai mudar
Automonitor
Presidente promulga diploma sobre alteração de matrículas automóveis