Portugueses de Sucesso no Mundo. Pedro Ribeiro, um português nas arábias, como peixe na água

É português e, aos 46 anos, foi escolhido para liderar as operações da maior consultora mundial de imobiliário na Arábia Saudita, onde estão a ser planeadas e construídas, de raiz, cidades de dimensões astronómicas (em tamanho e investimento, na ordem dos biliões de dólares). É de Pedro Ribeiro que falamos, gestor com já com 10 anos de experiência no Médio Oriente, onde já se sente como “peixe na água”.

 

Por Ana Leonor Martins

 

Começou por estudar Direito mas cedo percebeu que não era esse o seu caminho. Optou então pelo curso de Gestão e Marketing, que diz ter sido «a escolha certa, tendo em conta as responsabilidades profissionais numa fase muito jovem». Hoje, Pedro Ribeiro é director-geral do CBRE Group na Arábia Saudita. Garante que, «chegar aqui foi, antes de mais, um processo com muito trabalho, dedicação e vontade de evoluir».

Começou a trabalhar cedo, quando ainda estudava. «As oportunidades foram surgindo e a responsabilidade aumentando» nas empresas por onde passou: primeiro em Portugal, nos grupos Neinver e Multi Corporation, em 2012, teve um convite da McArthur + Company para liderar «dois grandes projectos no Catar. O negócio imobiliário estava em alta e seguiram-se vários outros projectos nessa região», partilha o gestor português.

Depois, em 2017, «começou o bloqueio diplomático e económico ao Catar pelos países do Golfo Pérsico, e adivinhava-se uma crise no país». Foi nessa altura que se mudou para a Arábia Saudita, «que economicamente estava em forte crescimento», para gerir um portefólio de 25 centros comerciais. «Consegui elevar o nível de gestão do meu portefólio e concluir dois projectos novos que tiveram a honra de ser premiados pelo Middle East Council of Shopping Centres: o Riyadh Park Mall, que foi galardoado como o melhor novo centro comercial no Médio Oriente em 2018; e o Panorama Mall, distinguido como o melhor projecto de reformulação», conta.

Terá eventualmente sido essa visibilidade resultante do trabalho em projectos de referência que fez com que Pedro Ribeiro despertasse a atenção da empresa concorrente CBRE. «Conheceram-me e convidaram-me. Aos 46 anos, é o meu maior desafio profissional e o de maior responsabilidade», diz.

 

Agarrar as oportunidades
Fazer carreira internacional não era propriamente um objectivo para Pedro Ribeiro. «Simplesmente os convites aconteceram e soube agarrar as oportunidades.» Identifica a primeira grande experiência internacional como a mudança para o Catar, a convite da McArthur + Company, para liderar dois grandes projectos – o Mall of Qatar e a nova zona industrial de Doha. Mas, antes disso, já tinha tido uma experiência além-fronteiras, e como director-geral, para lançar o primeiro outlet da Galiza. Explica: «Tendo em conta a proximidade e alguma semelhança na língua, creio que tudo se encaminhou para que eu crescesse profissionalmente no Médio Oriente, onde desde então várias portas se abriram e onde continuo a ter oportunidades irrecusáveis.»

Era general manager da Multi Corporation, em Portugal, quando surgiu o convite para o Catar. Foi em 2012. Recorda que, na altura, «Portugal atravessava uma profunda crise económica. A área de negócio dos centros comerciais estava a complicar-se, a crise era geral e dificultava toda a actividade. No Médio Oriente, a situação era oposta à que se vivia em Portugal, o negócio imobiliário estava em alta, e o Catar estava em forte crescimento e expansão.» Por isso, aceitou o convite «de imediato, sem pensar duas vezes».

O Mall of Qatar foi o seu primeiro desafio no Médio Oriente, ao qual se seguiram vários outros, no Catar, Arábia Saudita e Dubai. Pedro Ribeiro afirma que «foi uma experiência fantástica e desafiante, porque o projecto atingia dimensões sem paralelo naquele país: era o maior shopping e complexo de entretenimento a ser construído no Catar, com 500 mil metros quadrados, ou seja, uma área equivalente a 50 campos de futebol. Os orçamentos também eram entusiasmantes, uma vez que o custo do projecto foi de 823,8 milhões de dólares», revela. «Entrar no Médio Oriente envolvido num projecto desta dimensão, que na altura era uma referência no sector, deu-me muita experiência, conhecimento do mercado e reconhecimento do meu trabalho. Outras portas se abriram de imediato.»

Como se percebe, a adaptação profissional dificilmente podia ter sido melhor, mas a adaptação a nível pessoal foi um desafio maior. O mais difícil continua a ser a distância da família. E o clima. São estes dois desafios que o gestor destaca, sendo que, culturalmente, também exigiu que se adaptasse «a um país que tem o Islão como religião oficial, em que 90% da população é muçulmana e os costumes estão intimamente ligados ao islamismo. Essencialmente, tive de me familiarizar com regras de conduta muito diferentes das ocidentais», conta, esclarecendo: «Em países árabes, como o Catar e a Arábia Saudita, vigora a sharia, o conjunto de leis islâmicas baseadas no Alcorão e responsáveis por ditar as regras de comportamento e regular os hábitos e costumes, desde a vida quotidiana a situações formais de protocolo.

No início, cheguei a cometer algumas gaffes, por exemplo, estender a mão para cumprimentar uma mulher árabe numa reunião. Passei a estar atento às regras locais para manter o respeito aos costumes locais e não ser surpreendido. Hoje, sinto-me como “peixe na água”.»

 

Depois do Catar, a Arábia Saudita
Passados cinco anos no Catar, Pedro Ribeiro assume então a direcção-geral da CBRE na Arábia Saudita. «A CBRE é uma empresa Fortune 500, votada há 20 anos consecutivos pela lipsey company como top brand em real estate, há nove anos consecutivos nomeada pela Fortune’s como “Most Admired Companies”, e há três anos que ocupa o primeiro lugar no sector de real estate», realça, partilhando o que lhe foi pedido: «O objectivo é, de A a Z, poder fornecer em qualquer actividade e em qualquer região da Arábia Saudita, os mesmos serviços que colocaram a CBRE a nível mundial na liderança do sector de real estate.»

Não esconde que, «chegar até aqui e liderar uma empresa como a CBRE, que é a maior empresa mundial na oferta de serviços de commercial real estate e investimentos, número um mundial em vendas de propriedades, leasing, outsourcing, gestão de activos imobiliários e maior avaliadora, é muito motivador».

Pedro Ribeiro está envolvido em projectos de transformação inseridos na Visão 2030, desenvolvidos pelo governo saudita através do PIF – Fundo de Investimento Público, como o The Line – que consiste numa construção de 170 quilómetros de empreendimentos tecnológicos, ou o Neom, que visa construir uma cidade do dobro do tamanho de Nova Iorque no meio do deserto; procurando também atrair grupos de investimento internacionais. «Ora, quanto maior o projecto, maior o número de empresas envolvidas, e é neste ponto que a CBRE, com a minha liderança, pretende crescer. A fase actual é de planeamento, análise financeira e validação», esclarece.

«A CBRE tem estado envolvida em algumas das fases dos vários projectos ligados à Visão 2030, e eu pretendo aumentar esse envolvimento, trazendo e implementando a nossa experiência a nível mundial para a Arábia Saudita, em todas as nossas valências», continua. «O próprio crescimento orgânico da CBRE KSA visa responder, de forma imediata, às necessidades dos gigaprojectos, encontrando soluções e contribuindo para a implementação conforme inicialmente planeado.»

 

Leia a entrevista na íntegra na edição de Dezembro (nº.144)  da Human Resources, nas bancas.

Caso prefira comprar online, pode optar pela versão em papel ou a versão digital.

Ler Mais



loading...

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.