Prémio Maria de Sousa atribuiu 125 mil euros a cinco jovens cientistas

O Prémio Maria de Sousa, no valor total de 125 mil euros, distingue cinco jovens cientistas por trabalhos de investigação sobre cancro, células, infecção parasitária em gado e biomateriais cardíacos, anunciou hoje a organização.

 

Os premiados são Andreia Pereira, Daniela Freitas e Mariana Osswald, do Instituto de Investigação e Inovação em Saúde (i3S) da Universidade do Porto, Pedro Marques, do Hospital de Santa Maria, em Lisboa, e Sara Silva Pereira, do Instituto de Medicina Molecular João Lobo Antunes, também em Lisboa.

Promovido pela Ordem dos Médicos e pela Fundação Bial, o prémio, instituído este ano pela primeira vez, homenageia a médica e imunologista Maria de Sousa, que morreu em 2020, aos 80 anos, com covid-19, e visa apoiar cientistas portugueses até aos 35 anos em trabalhos na área das ciências da saúde.

A equipa de Andreia Pereira, do i3S, vai procurar obter uma “fonte de energia inesgotável” que possa ser usada nos dispositivos cardiovasculares em alternativa às pilhas convencionais e novos métodos de deteção precoce de obstrução de vasos sanguíneos, segundo a descrição do projeto.

A investigadora Daniela Freitas, também do i3S, pretende, por sua vez, “encontrar novos biomarcadores para o cancro do estômago”, frequentemente detetado em fases avançadas dificultando a eficácia do tratamento, bem como “novos potenciais alvos terapêuticos”.

Para tal, vai estudar o papel dos glicanos – “estruturas de hidratos de carbono complexas” – alterados no cancro do estômago “na comunicação e reprogramação celular”.

O grupo de investigação de Mariana Osswald propõe-se estudar como os epitélios, tecidos constituídos por células que revestem a pele e as mucosas e que formam uma barreira protetora, “balanceiam forças para manterem a sua forma, integridade e funcionalidade”.

Perturbações na estrutura destes tecidos estão associadas a doenças inflamatórias e ao cancro.

A investigadora do i3S vai focar-se na “organização de uma das principais estruturas das células responsável por regular forças”, a actomiosina, uma “rede dinâmica de proteínas que controla a forma e as propriedades mecânicas das células”.

Mariana Osswald quer perceber como é que a actomiosina é regulada e como é que alterações na actomiosina afetam o equilíbrio de forças num epitélio.

O trabalho de Pedro Marques, endocrinologista e investigador no Hospital de Santa Maria, visa “identificar novos biomarcadores úteis para o diagnóstico” de adenomas hipofisários, tumores benignos da hipófise, uma glândula localizada na base do crânio que controla a maior parte da atividade hormonal.

Os adenomas hipofisários “podem originar vários problemas de saúde relacionados com o excesso de produção ou défice de hormonas hipofisárias” ou criar danos em estruturas próximas da hipófise, como os nervos óticos, responsáveis pela visão.

Além de melhorar o diagnóstico destes tumores, a equipa de Pedro Marques propõe-se “delinear novos alvos terapêuticos, assim como novas formas de tratamento no domínio da imunoterapia para doentes com adenomas hipofisários mais agressivos e resistentes às terapêuticas convencionais”, incluindo a cirurgia e a radioterapia.

Na sua investigação, Pedro Marques vai estudar em particular a interação entre as quimiocinas, substâncias produzidas e libertadas pelas células tumorais, e as células imunitárias e “identificar mecanismos através dos quais esta interação possa promover o crescimento e agressividade tumorais”.

Sara Silva Pereira, do Instituto de Medicina Molecular João Lobo Antunes, pretende saber quais são as proteínas da superfície do parasita ‘Trypanosoma congolense’, “mais problemático” em África e transmitido aos animais pela picada da mosca tsé-tsé, que permitem que se agarre aos vasos sanguíneos e qual a relação entre estas proteínas e a severidade da nagana, doença que afeta mortalmente o gado, causando elevados prejuízos económicos.

A investigadora espera identificar genes que sejam biomarcadores da doença grave que “possam ser utilizados num dispositivo de diagnóstico portátil para rastrear gado em larga escala e informar a comunidade sobre a virulência das estirpes em circulação e o risco de doença grave”.

O júri da primeira edição do Prémio Maria de Sousa, financiado pela Fundação Bial, foi presidido pelo neurocientista Rui Costa.

Ler Mais
pub


Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

*