RH 4.0: a digitalização ao serviço dos Recursos Humanos

A transformação digital invadiu as empresas e os Recursos Humanos não ficaram de fora. O facto é que a digitalização é um poderoso facilitador da transformação dos Recursos Humanos e é fundamental que saibamos aproveitar todas as vantagens que daqui podem advir.

Por Carla Gomes, responsável Recursos Humanos Bosch Car Multimedia

Muito mais do que falar de automatização das tarefas de Recursos Humanos e torná-las mais eficientes, a digitalização dos processos de Recursos Humanos servirá de base de apoio para os requisitos de gestão e tomada de decisão.

Historicamente, a gestão de recursos humanos sempre foi uma área menos analítica na maioria das empresas, no entanto, num contexto de trabalho cada vez mais competitivo caracterizado por inúmeras mudanças, como por exemplo o “novo normal” do trabalho híbrido, tomar decisões com base em dados reais torna-se cada vez mais importante. É aqui que entra o crescente peso que a analise de dados (HR analytics), tem vindo a assumir na área dos Recursos Humanos ajudando a analisar, organizar, contextualizar e comparar os dados brutos colectados, e a possibilitar ter uma visão mais concreta de como as iniciativas dos gestores de RH estão a contribuir para o alcance dos objectivos das empresas. No fundo, perceber o que funciona e o que não funciona, para que as empresas possam melhorar e crescer na direcção certa rumo ao futuro.

O crescimento da área de HR analytics, numa perspectiva estratégica permitirá passar de uma componente descritiva, para uma componente de diagnóstico, preditiva, prescritiva e analítica, de forma a definir as medidas adequadas, e assim contribuir para a competitividade da organização e ser um empregador de referência. Nesta área, os desenvolvimentos dessas plataformas de análise de dados procuram providenciar os métodos e ferramentas que podem dar elementos e previsões no menor espaço de tempo. Com estes métodos a gestão de recursos está preparada para utilizar os recursos estratégicos de uma forma mais eficiente, e assim estar mais alinhada com a estratégia do negócio e com os objectivos da organização.

Neste processo de digitalização, podemos identificar duas grandes áreas de foco: a primeira, a digitalização dos Recursos Humanos, no sentido de adaptar as funções às necessidades futuras. É patente a necessidade de revisão integral dos papéis de Recursos Humanos e a construção de um papel mais consultivo, onde as tarefas administrativas são reduzidas ao mínimo, com novas funções e responsabilidades a surgir, de forma a permitir esta mudança.

A outra área tem a ver com a digitalização como ferramenta para apoiar o negócio, significa que queremos usar o potencial das novas tecnologias e apoiar o negócio e a adaptação a novas condições e formas de trabalho e a ferramentas para contextos mais digitais.

A realidade, é que o ambiente de negócios altamente dinâmico (VUCA) em que vivemos, requer estruturas muito mais flexíveis e diferentes modos de trabalho, o que por outro lado se traduz na necessidade de existir uma cultura de encorajamento e de inovação E perante este ambiente dinâmico, global e cada vez mais digital e inteligente em que as empresas se inserem, a necessidade tanto de crescimento como de posicionamento exige a promoção de aplicações digitais best in class que apoiem e envolvam todos os intervenientes nos processos, e coloquem os colaboradores em primeiro lugar.

A elevada performance dos colaboradores só pode ser alcançada em ambientes propícios ao crescimento e à aplicação total do seu potencial, neste seguimento, é cada vez mais importante que todos os processos de Recursos Humanos sejam revistos de forma a se tornarem totalmente integrados numa única plataforma e com a mínima intervenção da gestão de recursos humanos, e máxima participação dos líderes e dos colaboradores.

De facto, não restam dúvidas sobre a crescente importância dos dados para a boa gestão de Recursos Humanos das organizações, e não falamos apenas da “tradicional” recolha de dados, mas sim de uma recolha e interpretação estratégica que permita gerar conhecimento relevante com vista a otimização do capital humano de uma empresa. Esta vertente de business intelligence acarreta sem dúvida novos desafios para a gestão e liderança, mas é também uma ferramenta transformadora, potenciando uma actuação mais interventiva e proactiva e uma maior contribuição dos Recursos Humanos nos resultados do negócio, com o processo de tomada de decisões a ser mais ágil, antecipando tendências e implementando estratégias que optimizem os resultados, contribuam para o bem-estar das pessoas e para a captação e retenção de talento.

A transformação digital nos Recursos Humanos vai muito além da introdução de tecnologias, robotização, automatização ou soluções de IA, essa mudança está também na necessidade de construir e incentivar uma gestão de Recursos Humanos mais inteligente, com recurso à digitalização e a ferramentas que colaboram para uma execução mais simples dos diversos processos, permitindo a gestão de talentos de forma cada vez mais ágil e eficiente, atingindo níveis inéditos de atração, retenção e produtividade.

 

Ler Mais
pub


Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

*