Três pilares para promover as competências Agile

A incorporação de metodologias e processos Agile tem sido fundamental para as empresas na resposta aos desafios trazidos pela pandemia. E os líderes de Recursos Humanos têm sido facilitadores e promotores de competências nesse âmbito.

 

Por Nuno Martins Freitas, partner da Boyden Portugal

 

Os desafios das organizações são constantes, exigem permanente atenção e actualização, e num mundo já conectado socialmente e digitalmente, e ao qual se acrescenta uma experiência global comum – a pandemia –, estes desafios crescem a uma velocidade exponencial e obrigam cada vez mais à antecipação e preparação de boas respostas.

A pandemia veio acelerar a adopção de estratégias e modelos organizacionais que certamente demorariam meses ou anos a implementar. Para algumas organizações estas mudanças já estavam em curso, contudo, a velocidade imposta fez com que algumas empresas tivessem mais dificuldades que outras.

As organizações que reagiram de uma forma mais célere são as que hoje estão a caminho da recuperação e, em alguns casos, já a prosperar. Foram aquelas que encontram na resiliência da sua equipa de gestão e colaboradores um propósito claro na tomada de decisões (por vezes incertas), tendo como agente de mudança a qualidade da sua liderança, a coesão das suas equipas, a forma de comunicar e conectar com os seus diferentes stakeholders (internos e externos) e, adicionalmente, ao incorporar metodologias e processos Agile baseados em tecnologia.

Neste capítulo, os líderes de Recursos Humanos têm vindo a desenvolver um papel fundamental como facilitadores e promotores das competências Agile através de três pilares:

Leadership Agility: a inteligência emocional para entender a necessária mudança de mentalidade; a capacidade de inspirar e construir confiança através do propósito; a preocupação com bem-estar das suas equipas e a empatia são requisitos de liderança como nunca visto.

Organisational Agility: o alinhamento constante entre os objectivos empresariais e o talento permitirá identificar e antecipar cenários, promover iniciativas que ajudem a percorrer tempos desafiantes e transformá-los em oportunidades.

Employee Agility: uma cultura orientada pela confiança e por um propósito permitirá aos líderes alavancar o envolvimento contínuo dos colaboradores como um agente para a recuperação e sustentabilidade organizacional.

O sucesso e o fracasso dos negócios são o resultado directo do envolvimento das pessoas. Um indivíduo pode ter a melhor ideia, uma equipa o melhor processo, uma empresa o melhor produto, mas se a organização não funcionar como um todo, certamente não atingirá o seu máximo potencial.

Por exemplo, o aspecto mais importante da transformação digital é a mudança organizacional – criar equipas ágeis, escaloná-la através de redes distribuídas e conectar pessoas para proporcionar envolvimento e sentimento de pertença.

Para responder a este desafio há que trabalhar para identificar líderes com as competências emocionais e agilidade necessária para definir verdadeiramente um propósito e inspirar as organizações.

Em parceria com os especialistas e referências de mercado em recrutamento executivo e consultoria de liderança, e utilizando ferramentas de insight e de trabalho em equipa, cabe às lideranças das organizações, aos presidentes e executivos e aos directores de Recursos Humanos construir uma cultura de maior agilidade organizacional.

Este artigo foi publicado na edição de Janeiro (nº. 121) da Human Resources, nas bancas.

Caso prefira comprar online, pode comprar a versão em papel ou a versão digital.

Ler Mais
pub


Comentários
A carregar...