Uma norma para a conciliação entre a vida profissional e familiar

Existe desde 2016 e certifica o sistema de gestão da conciliação entre a vida profissional, familiar e pessoal nas empresas. A NP 4552 considera domínios da conciliação como boas práticas laborais, apoio profissional e desenvolvimento pessoal, e benefícios.

 

Por Patrícia Franganito, directora de Certificação do Bureau Veritas Portugal

 

A cada dia que passa, os desafios para a retenção de recursos e a motivação dos colaboradores são maiores e estão na mira da maioria das empresas. Também os colaboradores são, diariamente, desafiados a equilibrar a dedicação pelo trabalho, a orientação para a família e o cuidar de si.

A conciliação entre a vida profissional, familiar e pessoal é uma preocupação crescente das empresas e organizações, atendendo ao impacto positivo e negativo que pode ter na actividade da própria organização e das pessoas que a integram. Quando procuramos o significado da palavra conciliação, obtemos a concordância de diferentes partes ou indivíduos com visões e opiniões diferentes. Ou seja, uma harmonização, compatibilização e entendimento entre as partes.

Com esta preocupação e foco, é publicada em 2016 a norma portuguesa NP 4552, de sistema de gestão da conciliação entre a vida profissional, familiar e pessoal e que, atendendo às preocupações crescentes das organizações, os seus princípios basilares apontam para valores que visam elevar o bem-estar, a qualidade de vida e a satisfação geral das partes interessadas em matérias de conciliação. É uma norma que segue a estrutura de alto nível e, portanto, está alinhada com os requisitos das recentes edições das normas ISO, o que transmite uma facilidade na integração com outros referenciais e certificações já existentes.

O facto de existirem programas de conciliação e uma política de conciliação que necessitam de ser definidos e revistos a determinados períodos de tempo, perpetua uma dedicação a este tema no seio da empresa. Uma organização que decida implementar esta norma tem que considerar domínios da conciliação como boas práticas laborais, apoio profissional e desenvolvimento pessoal e serviços e benefícios. Também a organização deve definir e rever as suas estratégias, políticas, práticas e processos, de acordo com os princípios e valores da igualdade e não-discriminação, da conciliação, da responsabilização, da transparência, da conduta ética e do respeito pelas partes interessadas.

Quanto ao processo de certificação, as etapas são similares aos tradicionais sistemas de gestão, iniciando-se o processo com uma auditoria de concessão que é composta por duas fases: uma primeira fase mais dedicada aos aspectos documentais e uma segunda fase onde o foco será a verificação dos requisitos operacionais. Podem desta análise surgir constatações abertas pela equipa auditora, para as quais o cliente deve indicar soluções e respostas para as colmatar e, após aceitação destas, será emitido um certificado, com duração de três anos e com auditorias de acompanhamento anuais para verificação da manutenção das condições e grau de implementação.

Pretendem ser apontadas como vantagens desta norma a melhoria do clima organizacional, o incremento da motivação das partes interessadas pelo reconhecimento e a harmonia de medidas de conciliação, a garantia de entrega de add value, para além do cumprimento legal, a diminuição da taxa de absentismo, a maior transparência e aumento do reconhecimento e do poder do branding da empresa.

A par com a normalização, também o governo lançou em Dezembro de 2018 o programa Três em Linha, onde uma das medidas foca a certificação como um objectivo. No seio das empresas pioneiras, encontra-se a Nova Delta como a primeira empresa certificada em Portugal neste referencial. Também a este nível, o Bureau Veritas foi o primeiro organismo de certificação acreditado em Portugal.

Veja também estes artigos.

Ler Mais
Artigos relacionados

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

*

MULTIPUBLICAÇÕES

[vc_multibar_post nc_mp_bar_revive=”JTBBJTNDc2NyaXB0JTIwdHlwZSUzRCUyN3RleHQlMkZqYXZhc2NyaXB0JTI3JTNFJTNDJTIxLS0lMkYlMkYlM0MlMjElNUJDREFUQSU1QiUwQSUyMCUyMCUyMHZhciUyMG0zX3UlMjAlM0QlMjAlMjhsb2NhdGlvbi5wcm90b2NvbCUzRCUzRCUyN2h0dHBzJTNBJTI3JTNGJTI3aHR0cHMlM0ElMkYlMkZtdWx0aXB1YmxpY2Fjb2VzLWFkcy5jb20lMkZ3d3clMkZkZWxpdmVyeSUyRmFqcy5waHAlMjclM0ElMjdodHRwJTNBJTJGJTJGbXVsdGlwdWJsaWNhY29lcy1hZHMuY29tJTJGd3d3JTJGZGVsaXZlcnklMkZhanMucGhwJTI3JTI5JTNCJTBBJTIwJTIwJTIwdmFyJTIwbTNfciUyMCUzRCUyME1hdGguZmxvb3IlMjhNYXRoLnJhbmRvbSUyOCUyOSUyQTk5OTk5OTk5OTk5JTI5JTNCJTBBJTIwJTIwJTIwaWYlMjAlMjglMjFkb2N1bWVudC5NQVhfdXNlZCUyOSUyMGRvY3VtZW50Lk1BWF91c2VkJTIwJTNEJTIwJTI3JTJDJTI3JTNCJTBBJTIwJTIwJTIwZG9jdW1lbnQud3JpdGUlMjAlMjglMjIlM0NzY3IlMjIlMkIlMjJpcHQlMjB0eXBlJTNEJTI3dGV4dCUyRmphdmFzY3JpcHQlMjclMjBzcmMlM0QlMjclMjIlMkJtM191JTI5JTNCJTBBJTIwJTIwJTIwZG9jdW1lbnQud3JpdGUlMjAlMjglMjIlM0Z6b25laWQlM0QxMDIlMjIlMjklM0IlMEElMjAlMjAlMjBkb2N1bWVudC53cml0ZSUyMCUyOCUyNyUyNmFtcCUzQmNiJTNEJTI3JTIwJTJCJTIwbTNfciUyOSUzQiUwQSUyMCUyMCUyMGlmJTIwJTI4ZG9jdW1lbnQuTUFYX3VzZWQlMjAlMjElM0QlMjAlMjclMkMlMjclMjklMjBkb2N1bWVudC53cml0ZSUyMCUyOCUyMiUyNmFtcCUzQmV4Y2x1ZGUlM0QlMjIlMjAlMkIlMjBkb2N1bWVudC5NQVhfdXNlZCUyOSUzQiUwQSUyMCUyMCUyMGRvY3VtZW50LndyaXRlJTIwJTI4ZG9jdW1lbnQuY2hhcnNldCUyMCUzRiUyMCUyNyUyNmFtcCUzQmNoYXJzZXQlM0QlMjclMkJkb2N1bWVudC5jaGFyc2V0JTIwJTNBJTIwJTI4ZG9jdW1lbnQuY2hhcmFjdGVyU2V0JTIwJTNGJTIwJTI3JTI2YW1wJTNCY2hhcnNldCUzRCUyNyUyQmRvY3VtZW50LmNoYXJhY3RlclNldCUyMCUzQSUyMCUyNyUyNyUyOSUyOSUzQiUwQSUyMCUyMCUyMGRvY3VtZW50LndyaXRlJTIwJTI4JTIyJTI2YW1wJTNCbG9jJTNEJTIyJTIwJTJCJTIwZXNjYXBlJTI4d2luZG93LmxvY2F0aW9uJTI5JTI5JTNCJTBBJTIwJTIwJTIwaWYlMjAlMjhkb2N1bWVudC5yZWZlcnJlciUyOSUyMGRvY3VtZW50LndyaXRlJTIwJTI4JTIyJTI2YW1wJTNCcmVmZXJlciUzRCUyMiUyMCUyQiUyMGVzY2FwZSUyOGRvY3VtZW50LnJlZmVycmVyJTI5JTI5JTNCJTBBJTIwJTIwJTIwaWYlMjAlMjhkb2N1bWVudC5jb250ZXh0JTI5JTIwZG9jdW1lbnQud3JpdGUlMjAlMjglMjIlMjZjb250ZXh0JTNEJTIyJTIwJTJCJTIwZXNjYXBlJTI4ZG9jdW1lbnQuY29udGV4dCUyOSUyOSUzQiUwQSUyMCUyMCUyMGlmJTIwJTI4ZG9jdW1lbnQubW1tX2ZvJTI5JTIwZG9jdW1lbnQud3JpdGUlMjAlMjglMjIlMjZhbXAlM0JtbW1fZm8lM0QxJTIyJTI5JTNCJTBBJTIwJTIwJTIwZG9jdW1lbnQud3JpdGUlMjAlMjglMjIlMjclM0UlM0MlNUMlMkZzY3IlMjIlMkIlMjJpcHQlM0UlMjIlMjklM0IlMEElMkYlMkYlNUQlNUQlM0UtLSUzRSUzQyUyRnNjcmlwdCUzRSUzQ25vc2NyaXB0JTNFJTNDYSUyMGhyZWYlM0QlMjdodHRwJTNBJTJGJTJGbXVsdGlwdWJsaWNhY29lcy1hZHMuY29tJTJGd3d3JTJGZGVsaXZlcnklMkZjay5waHAlM0ZuJTNEYTgzYzMyNTUlMjZhbXAlM0JjYiUzRElOU0VSVF9SQU5ET01fTlVNQkVSX0hFUkUlMjclMjB0YXJnZXQlM0QlMjdfYmxhbmslMjclM0UlM0NpbWclMjBzcmMlM0QlMjdodHRwJTNBJTJGJTJGbXVsdGlwdWJsaWNhY29lcy1hZHMuY29tJTJGd3d3JTJGZGVsaXZlcnklMkZhdncucGhwJTNGem9uZWlkJTNEMTAyJTI2YW1wJTNCY2IlM0RJTlNFUlRfUkFORE9NX05VTUJFUl9IRVJFJTI2YW1wJTNCbiUzRGE4M2MzMjU1JTI3JTIwYm9yZGVyJTNEJTI3MCUyNyUyMGFsdCUzRCUyNyUyNyUyMCUyRiUzRSUzQyUyRmElM0UlM0MlMkZub3NjcmlwdCUzRSUwQQ==”]