Universidade Europeia: Um olhar sobre a formação executiva

Se há algo que temos vindo a aprender com esta crise pandémica que nos assola há mais de um ano, é que existe uma grande capacidade de adaptação, resiliência e criatividade dentro de cada um de nós.

 

Recordo-me de uma situação, em Março de 2020, quando planeava uma formação no âmbito de um programa sobre Desenvolvimento da Liderança, que a pandemia me obrigou a adiar, sem qualquer certeza de concretização a curto ou médio prazo. Hoje, estamos mais cientes do que nos rodeia e as nossas perspectivas mudaram, já com a esperança do fim desta pandemia. Talvez por isso mesmo, todos nós temos vindo a perceber que adiar ou cancelar programas ou acções não é a solução, que é necessário arranjar outras formas para nos reinventarmos e conseguirmos ir além dos nossos objectivos.

Este episódio levou-me a pensar sobre a Formação Executiva nos tempos que correm. Em todos os meus anos de experiência no Ensino Superior, nunca me tinha deparado com tantos desafios como os que vejo agora. A pandemia mudou o mundo, mudou a forma como nos relacionamos uns com os outros, como trabalhamos, mas também transformou a forma como é percepcionada a formação superior.

Esta crise tornou clara a necessidade e a urgência de as universidades repensarem as suas ofertas, com o objectivo de ajudar líderes a estarem preparados para a constante mudança e a promoverem a motivação dos seus colaboradores, tão importante, nomeadamente, em contexto de teletrabalho, para manter níveis elevados de desempenho nesta realidade imprevisível que estamos a viver.

Não poderia deixar de falar na mudança mais óbvia que esta pandemia nos trouxe, também no âmbito da formação superior. Instalaram-se os formatos a distância e, atrevo-me a dizer, que vieram para ficar. Acredito plenamente que o futuro, de praticamente todos os negócios, é híbrido e considero que a Formação Executiva não é excepção. Aliás, na Universidade Europeia, onde sou directora de três faculdades, foi feita uma maior aposta no e-learning e b-learning, sem nunca descurar a formação presencial que continua a ser o local de eleição para a troca de experiências entre colegas e docentes e onde a possibilidade de interacção e contacto é, para mim, inigualável.

A ambiguidade e complexidade decorrente desta crise pandémica, económica e social, veio reforçar a necessidade de criação de uma sociedade mais digital e sustentável, na qual cada um de nós tem um papel fundamental na promoção desta mudança. Para tal, tem-se revelado essencial desenvolver soluções de aprendizagem que permitam o desenvolvimento de competências específicas nestas áreas. De facto, e a título de exemplo, a transformação digital das organizações não implica apenas uma mudança nos processos através dos quais o trabalho é realizado, mas implica, acima de tudo, uma mudança no mindset dos indivíduos responsáveis pelo seu desenvolvimento e implementação. Para isso, é necessário que também as formações superiores espelhem e alinhem o desenvolvimento destas competências individuais para a capacitação de profissionais com skills transversais (hard e soft skills), direccionadas não só para a elaboração do seu trabalho, como para a resolução de problemas relevantes para a sociedade.

Esta questão das skills transversais não é recente, mas foi enaltecida com a pandemia e, sobretudo, com a vulgarização do teletrabalho. Esta nova realidade, além de exigir novas competências digitais, teve também consequências em termos de gestão de equilíbrio entre a vida pessoal e a vida profissional. Um estudo recente, levado a cabo pela Universidade Europeia, revelou que o trabalho remoto contribui para aumentar os níveis de stress, para níveis elevados de cansaço e pode levar a um número excessivo de horas de trabalho. Esta nova realidade mostra-nos a necessidade de capacitar os profissionais, não só para a aprendizagem de competências técnicas, mas para uma maior e melhor gestão emocional que permita sinalizar sintomas de burnout ou cansaço extremo, temas que agora têm estado na ordem do dia. Esta mudança no contexto do trabalho exige a requalificação dos profissionais que se viram confrontados com a necessidade de saber utilizar novas ferramentas de trabalho e de gestão.

Este leva-me a outro ponto: a também necessidade de capacitar os líderes das empresas com novos modelos de liderança que permitam liderar eficazmente as suas equipas neste novo contexto de trabalho, fomentando o envolvimento, a responsabilização e a confiança nas decisões e no trabalho realizado. De facto, o contexto virtual vem colocar desafios que estão para além da mera utilização eficaz de ferramentas digitais.

Mais do que nunca, as universidades enfrentam novos desafios, contudo, algumas começaram a dar resposta a este novo contexto, investindo não só em tecnologia que facilitou a comunicação, mas também numa oferta formativa que vai ao encontro da resolução de casos reais. Na Universidade Europeia usamos uma expressão que é reflexo desta premissa – o learning by doing – que permite aos nossos estudantes aplicar os seus conhecimentos em programas práticos, em que se aproximam da realidade empresarial e conseguem sentir-se muito próximos do contexto profissional.

Acredito que este reforço da relação com as empresas é um dos grandes desafios que se impõe a curto-médio prazo no âmbito da Formação Executiva. A pandemia veio mostrar que, muitas vezes, mais do que saber aplicar os conhecimentos na prática, é ainda mais importante perceber como são os meandros de uma empresa, através de uma formação especializada em temas como ética do trabalho, sustentabilidade, ou mesmo, inteligência emocional e recursos humanos. Depois de mais de um ano de incerteza, é natural que os formandos sintam essa necessidade de saber mais sobre temas de cariz operacional das empresas.

A verdade é que, na Universidade Europeia, a Formação Executiva está já alinhada com esta nova realidade social e empresarial. Nesta instituição, trabalhamos para formar uma força de trabalho mais flexível, adaptável e com a capacidade para questionar e aprender nos diferentes domínios. De facto, posso afirmar que a competência-chave que esta crise nos trouxe foi a capacidade de estarmos cognitivamente preparados para a mudança. E, só assim, vamos continuar a ser bem-sucedidos e a elevar os nossos estudantes para patamares também de sucesso.

Esta crise deu o pontapé de saída para haver uma maior consciencialização sobre as vantagens de uma Formação Executiva. E ainda bem!

 

Este artigo faz parte do Caderno Especial “Formação” na edição de Julho (n.º 127) da Human Resources nas bancas.

Caso prefira comprar online, tem disponível a versão em papel e a versão digital.

Ler Mais
pub


Comentários
A carregar...