Vodafone: 30 Anos a comunicar com eventos internos (e não só)

A Vodafone Portugal comemora 30 anos e organizou um evento de celebração onde estiveram presentes mais de 1700 pessoas.

Em ano de comemoração de aniversário, a festa dos 30 anos da Vodafone Portugal foi o evento que mais envolvimento exigiu da Comunicação Interna, com o suporte de várias áreas da empresa. Mas os eventos internos são uma realidade que existe há muito tempo na organização, com diferentes objectivos, como o envolvimento dos colaboradores com a estratégia da empresa, o desenvolvimento das pessoas e a motivação e engagement dos colaboradores. Susana Ferreira, manager de Comunicação Interna da Vodafone Portugal, falou com a Human Resources Portugal sobre a estratégia de eventos internos da operadora.

 

Qual a importância dos eventos internos?
Os eventos sempre foram um dos canais preferenciais na Vodafone Portugal para transmitir informação e promover o envolvimento e o sentimento de pertença. Com o modelo híbrido de trabalho, este canal tornou-se ainda mais importante porque o convívio orgânico e natural, que ocorria pelo simples facto de estarmos no escritório, pode agora não ser coincidente, em todos os momentos, para todos os colaboradores.

Nesta nova realidade, os eventos revestem-se de uma importância fulcral para equilibrar os muitos momentos em que estamos nos canais digitais com aqueles em que nos encontramos no escritório. Além disso, são um meio importante para captar e reter talento. Dependendo do tipo de evento, estes podem servir até para desenvolver internamente o nosso talento, como são os casos das formações, webinars e workshops.

Temos verificado que as pessoas aderem em massa a estes acontecimentos. Isto comprova-se pela recolha informal de feedback dos colaboradores, mas também pelas medições que fazemos. Além dos parâmetros avaliados, os próprios comentários que nos deixam revelam o seu envolvimento nestas iniciativas.

Em suma, não sendo este o único canal ou suporte que utilizamos, os eventos são veículos importantes, independentemente de serem presenciais ou não. Antes da pandemia, realizaram-se duas edições da reunião anual da Vodafone num formato híbrido e que, já na altura, tiveram muito sucesso. Esta abordagem híbrida no que diz respeito aos eventos não é, por isso, uma novidade para a Vodafone.

 

Qual o feedback dos colaboradores no que diz respeito à realização destes eventos nesta fase pós-pandemia?
Historicamente temos óptimos resultados a nível de envolvimento, sentimento de pertença e identificação com a marca, por parte dos colaboradores. Mesmo quando o contacto presencial era a regra, as pessoas já valorizavam muito os eventos.

Ainda não tivemos muitos eventos presenciais no pós-pandemia, mas já tivemos alguns em que verificámos uma adesão um pouco superior, embora nada de muito significativo, dado que já antes os resultados eram muito positivos. Notámos, isso sim, que nos campos de comentários passou a haver muitas mensagens de incentivo a continuarmos a fazer eventos presenciais. Os colaboradores valorizam o convívio e a proximidade que os eventos presenciais potenciam e, sempre que faz sentido, alguma informalidade. E existe uma grande espontaneidade nestes comentários, que nos incentivam a fazer mais e melhor.

 

Como foi organizar o evento dos 30 anos da Vodafone?
Na área de Comunicação Interna, vimos esta celebração dos 30 anos não como apenas mais um evento, mesmo que de grande dimensão, mas como um tema transversal à organização. Foram feitas várias iniciativas ao longo do ano que tiveram por objectivo envolver os colaboradores na temática dos 30 anos e identificá-los com as diferentes fases da nossa história, muito antes do culminar, que foi o evento de celebração.

Na Vodafone, é habitual que a cada cinco anos se faça um evento para comemorar o aniversário, e este foi o primeiro após o período mais intenso da pandemia. Foi muito importante envolver todas as áreas da Comunicação (desde logo, a Direção de Marca, e também a Comunicação Externa) e estarmos totalmente alinhadas. Além das áreas de comunicação, foram muitas as áreas envolvidas e que contribuíram para um evento bem-sucedido.

Depois deste alinhamento das áreas internas, foi definido o claim “Moving Fast” e criada uma imagem que teve a preocupação de parecer muito plástica e de transmitir a transformação da empresa ao longo destes 30 anos – desde a Telecel como operadora, até à Tech Comms Company que se tornou aos dias de hoje. Este foi um percurso que envolveu várias gerações de colaboradores e que decorreu a grande velocidade (como tudo no mundo da tecnologia) e por isso este conceito.

O objectivo era que a imagem associada à celebração materializasse todo esse percurso. Mas que, por outro lado, fosse possível olhar para esta transformação também do ponto de vista das pessoas. A Vodafone tem uma importante percentagem de pessoas que estão na empresa há muitos anos e que tiveram de se adaptar ao longo destas três décadas. Mas mesmo aquelas que chegaram mais recentemente à empresa tiveram de se reinventar como colaboradores e até como pessoas, sobretudo nos últimos dois anos e meio. Partindo daí, quisemos fazer vários momentos. Começámos por promover estas mensagens na reunião anual, em Maio, altura em que foi desvendado o claim e a imagem relativos ao projecto da celebração dos 30 anos da Vodafone. Desde então, foram sendo publicadas internamente informações sobre efemérides e momentos históricos desde 1992 (duas publicações por semana com curiosidades, imagens do espólio de produtos, objectivos, marcos importantes ligados ao 3G, 4G e 5G, mudanças de logótipos e assinaturas, etc.). Foi muito interessante fazer esta viagem porque os próprios colaboradores começaram a partilhar imagens de produtos do passado, como a Vitamina ou o Netc, entre outros. Todas estas comunicações envolveram uma multiplicidade de canais, como uma página de SharePoint criada para o efeito, a rede social interna, a televisão interna, newsletters e e-mail. Desta forma garantimos que todos os colaboradores poderiam ter acesso à informação, independentemente do canal que preferissem utilizar.

Fizemos ainda uma iniciativa de caça ao tesouro, híbrida, em que os colaboradores tinham de procurar, ou presencialmente nas instalações da Vodafone em Lisboa e no Porto ou no site interno, peças do espólio da Vodafone.

Por fim, o evento de celebração dos 30 anos realizou-se no dia 18 de outubro, num local que pretendemos que materializasse o claim “Moving Fast”. Para este evento, quisemos envolver as pessoas que fazem ou fizeram parte da nossa história, incluindo antigos colaboradores da Vodafone e representantes de empresas parceiras. Tivemos mais de 1.700 presenças.

Houve também uma grande preocupação com a decoração do espaço de forma que as pessoas se sentissem em casa – a casa que é a Vodafone. Foi um evento muito pensado, onde misturámos a nossa história com o futuro, a inovação e a modernidade. A satisfação global com o evento atingiu os 85% nos niveis 4 e 5 da escala de Likert.

No dia seguinte, fizemos a habitual celebração de quem cumpre cinco e 25 anos de casa, e este ano ainda juntámos os colaboradores que fazem 30 anos. Esta é uma celebração feita todos os anos, com um enorme apreço pelas pessoas. Há um momento de entrega de um presente, que é sempre personalizado com o nome do colaborador.

 

Que outros eventos internos a Vodafone organizou e ainda vai organizar este ano?
Na Vodafone, os eventos estão divididos em quatro categorias:

1) Eventos de envolvimento ou celebração
2) Eventos de alinhamento estratégico
3) Eventos de suporte ao negócio
4) Eventos transformacionais

No que diz respeito aos eventos de envolvimento, este ano destaca-se o evento de celebração dos 30 anos de lançamento comercial da empresa.

Já no que diz respeito aos eventos de alinhamento estratégico, temos uma reunião semestral que se destina a directores e managers e que se realiza propositadamente em momentos em que faz sentido rever e estabelecer objectivos.

A Reunião Vodafone, realizada anualmente, destina-se a todos os Colaboradores Vodafone. Antes da pandemia esta reunião já incluía os momentos formais com algum convívio, mas este ano foi assumida a existência de um momento prolongado de “fun”. Outro evento enquadrado nesta categoria de estratégia é o CEO Update, que se realiza mensalmente, na rede social interna, e consiste numa transmissão em direto pelo CEO, na rede social interna, na qual os Colaboradores podem comentar ou reagir.

Existem ainda os eventos de suporte ao negócio, que consistem em activações internas de produtos e serviços; em algumas situações, os colaboradores são convidados a testar antes de serem lançados comercialmente.

Os eventos transformacionais servem o propósito de ajudar a materializar a mudança interna ou potenciar o desenvolvimento das pessoas, podendo incluir programas de formação (mais ou menos informais e para diferentes audiências, incluindo a Liderança como importante canal de mudança, por exemplo), webinars, e-learnings, palestras, entre outros. Internamente, o programa Work IT Out foi desenvolvido quase na sua totalidade pelas equipas Vodafone como o IT e diferentes áreas de Recursos Humanos, onde se insere a Comunicação Interna, formação em ferramentas de trabalho, para tornar o dia-a-dia dos colaboradores mais eficiente, tanto ao nível da colaboração como da organização pessoal. Dentro dos eventos transformacionais, temos ainda iniciativas para reforçar a cultura, ou destacar temas importantes que iremos adoptar. Temos também um evento trimestral chamado Café com Ideias, que foi interrompido pela pandemia e que queremos retomar no próximo ano. Nestes pequenos-almoços participam até 10 colaboradores que nos dão sugestões de melhoria ou mesmo de novas iniciativas.

Este artigo faz parte do Caderno especial “Eventos Internos” publicado na edição de Novembro (n.º 143) da Human Resources.

Caso prefira comprar online, tem disponível a versão em papel e a versão digital.

Ler Mais



loading...

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.