Como facilitar a adaptação das empresas e actualizar as formas de trabalho

 

Por Teresa Santos Ribeiro, Marketing Assistant na bwd – digital transformation

 

Numa altura em que Portugal parece não ter ainda atingido o pico das infecções pelo novo coronavírus e a OCDE prevê um impacto adverso de 0,3 pontos percentuais no cenário para a zona euro em 2020, as empresas que não trabalham digitalmente e não têem acompanhado a evolução das ferramentas de trabalho digital estão a ser forçadas a adoptar ferramentas e modelos do apelidado “workplace of the future”.

Desafiamos todas as empresas portuguesas a enfrentar as tribulações causadas pelo COVID-19, aproveitando para actualizar algumas práticas de trabalho e, desta forma, tornarem-se mais aptas a enfrentar situações semelhantes à que actualmente se faz sentir:

 

– Priorizar a adopção de soluções que promovem a comunicação e a colaboração remota – home office e workplace modernisation

O trabalho remoto ou teletrabalho está a ser agora amplamente adoptado por empresas em que este não constitui prática corrente. Para que este possa fluir da melhor forma e consiga que os seus colaboradores trabalhem desde casa como se no escritório estivessem é necessária preparação.

Organizações operativamente eficientes e ágeis estão absolutamente preparadas para enfrentar qualquer contingência no que concerne aos seus processos administrativos. Parte do caminho para essa eficiência é concretizada através da otimização interna dos processos.

Por outro lado, aquelas empresas que já executaram a desmaterialização e a centralização de toda a informação produzida pelos seus colaboradores conseguem assegurar a sua utilização simultânea e em diferentes localizações geográficas por múltiplos utilizadores.

Aquelas que ainda não adoptaram soluções do género devem agora priorizar a sua aquisição utilização consciente, isto é, considerando sempre que é necessário um trabalho prévio de otimização dos fluxos de trabalho para que não ocorram ineficiências como duplicação de tarefas e as ferramentas acabem por ser abandonadas.

 

– Trabalhar em qualidade e não quantidade para mitigar riscos

Diversas empresas pelo país e pela Europa estão a limitar as deslocações tanto nacionais como internacionais realizadas pelos seus colaboradores, como medida de prevenção. Inevitavelmente, face aos acontecimentos provocados pela propagação do COVID-19, alguns colaboradores verão as suas normais rotinas de trabalho comprometidas, assim como seu normal horário de trabalho.

Urge, por isso, ser mais produtivo em menos tempo e a tecnologia constitui um enabler inevitável para atingir este resultado. Soluções de digitalização e mobilidade associadas a aplicações móveis com serviços da empresa, que permitem a submissão de documentos como atestados médicos, ou preenchimento de formulários através do telemóvel, evitam a deslocação do colaborador à organização.

Também as soluções de RPA, robotização de processos, que substituem a ação humana em tarefas que não carecem de competências humanas ampliam a sua utilidade no contexto de uma epidemia, pelo facto, entre outros, de poderem funcionar 24h na execução de tarefas repetitivas. Todas estas soluções estão acessíveis e prontas a serem utilizadas pelas empresas portuguesas.

 

– Não focar apenas na tecnologia

A construção de uma organização inovadora é um processo dinâmico, cujo sucesso não depende apenas da inovação tecnológica, mas, sobretudo de inovação cultural, implicando um elevado envolvimento dos colaboradores e o exemplo que deve ser dado pelas administrações.

Para assegurar um rápido retorno do investimento devem também ser consideradas a inovação de processos e de dados, pois as pequenas mudanças aportam muitas vezes quick-wins, isto é, ganhos rápidos.

Ler Mais
Comentários
A carregar...

MULTIPUBLICAÇÕES

[vc_multibar_post nc_mp_bar_revive=”JTBBJTNDc2NyaXB0JTIwdHlwZSUzRCUyN3RleHQlMkZqYXZhc2NyaXB0JTI3JTNFJTNDJTIxLS0lMkYlMkYlM0MlMjElNUJDREFUQSU1QiUwQSUyMCUyMCUyMHZhciUyMG0zX3UlMjAlM0QlMjAlMjhsb2NhdGlvbi5wcm90b2NvbCUzRCUzRCUyN2h0dHBzJTNBJTI3JTNGJTI3aHR0cHMlM0ElMkYlMkZtdWx0aXB1YmxpY2Fjb2VzLWFkcy5jb20lMkZ3d3clMkZkZWxpdmVyeSUyRmFqcy5waHAlMjclM0ElMjdodHRwJTNBJTJGJTJGbXVsdGlwdWJsaWNhY29lcy1hZHMuY29tJTJGd3d3JTJGZGVsaXZlcnklMkZhanMucGhwJTI3JTI5JTNCJTBBJTIwJTIwJTIwdmFyJTIwbTNfciUyMCUzRCUyME1hdGguZmxvb3IlMjhNYXRoLnJhbmRvbSUyOCUyOSUyQTk5OTk5OTk5OTk5JTI5JTNCJTBBJTIwJTIwJTIwaWYlMjAlMjglMjFkb2N1bWVudC5NQVhfdXNlZCUyOSUyMGRvY3VtZW50Lk1BWF91c2VkJTIwJTNEJTIwJTI3JTJDJTI3JTNCJTBBJTIwJTIwJTIwZG9jdW1lbnQud3JpdGUlMjAlMjglMjIlM0NzY3IlMjIlMkIlMjJpcHQlMjB0eXBlJTNEJTI3dGV4dCUyRmphdmFzY3JpcHQlMjclMjBzcmMlM0QlMjclMjIlMkJtM191JTI5JTNCJTBBJTIwJTIwJTIwZG9jdW1lbnQud3JpdGUlMjAlMjglMjIlM0Z6b25laWQlM0QxMDIlMjIlMjklM0IlMEElMjAlMjAlMjBkb2N1bWVudC53cml0ZSUyMCUyOCUyNyUyNmFtcCUzQmNiJTNEJTI3JTIwJTJCJTIwbTNfciUyOSUzQiUwQSUyMCUyMCUyMGlmJTIwJTI4ZG9jdW1lbnQuTUFYX3VzZWQlMjAlMjElM0QlMjAlMjclMkMlMjclMjklMjBkb2N1bWVudC53cml0ZSUyMCUyOCUyMiUyNmFtcCUzQmV4Y2x1ZGUlM0QlMjIlMjAlMkIlMjBkb2N1bWVudC5NQVhfdXNlZCUyOSUzQiUwQSUyMCUyMCUyMGRvY3VtZW50LndyaXRlJTIwJTI4ZG9jdW1lbnQuY2hhcnNldCUyMCUzRiUyMCUyNyUyNmFtcCUzQmNoYXJzZXQlM0QlMjclMkJkb2N1bWVudC5jaGFyc2V0JTIwJTNBJTIwJTI4ZG9jdW1lbnQuY2hhcmFjdGVyU2V0JTIwJTNGJTIwJTI3JTI2YW1wJTNCY2hhcnNldCUzRCUyNyUyQmRvY3VtZW50LmNoYXJhY3RlclNldCUyMCUzQSUyMCUyNyUyNyUyOSUyOSUzQiUwQSUyMCUyMCUyMGRvY3VtZW50LndyaXRlJTIwJTI4JTIyJTI2YW1wJTNCbG9jJTNEJTIyJTIwJTJCJTIwZXNjYXBlJTI4d2luZG93LmxvY2F0aW9uJTI5JTI5JTNCJTBBJTIwJTIwJTIwaWYlMjAlMjhkb2N1bWVudC5yZWZlcnJlciUyOSUyMGRvY3VtZW50LndyaXRlJTIwJTI4JTIyJTI2YW1wJTNCcmVmZXJlciUzRCUyMiUyMCUyQiUyMGVzY2FwZSUyOGRvY3VtZW50LnJlZmVycmVyJTI5JTI5JTNCJTBBJTIwJTIwJTIwaWYlMjAlMjhkb2N1bWVudC5jb250ZXh0JTI5JTIwZG9jdW1lbnQud3JpdGUlMjAlMjglMjIlMjZjb250ZXh0JTNEJTIyJTIwJTJCJTIwZXNjYXBlJTI4ZG9jdW1lbnQuY29udGV4dCUyOSUyOSUzQiUwQSUyMCUyMCUyMGlmJTIwJTI4ZG9jdW1lbnQubW1tX2ZvJTI5JTIwZG9jdW1lbnQud3JpdGUlMjAlMjglMjIlMjZhbXAlM0JtbW1fZm8lM0QxJTIyJTI5JTNCJTBBJTIwJTIwJTIwZG9jdW1lbnQud3JpdGUlMjAlMjglMjIlMjclM0UlM0MlNUMlMkZzY3IlMjIlMkIlMjJpcHQlM0UlMjIlMjklM0IlMEElMkYlMkYlNUQlNUQlM0UtLSUzRSUzQyUyRnNjcmlwdCUzRSUzQ25vc2NyaXB0JTNFJTNDYSUyMGhyZWYlM0QlMjdodHRwJTNBJTJGJTJGbXVsdGlwdWJsaWNhY29lcy1hZHMuY29tJTJGd3d3JTJGZGVsaXZlcnklMkZjay5waHAlM0ZuJTNEYTgzYzMyNTUlMjZhbXAlM0JjYiUzRElOU0VSVF9SQU5ET01fTlVNQkVSX0hFUkUlMjclMjB0YXJnZXQlM0QlMjdfYmxhbmslMjclM0UlM0NpbWclMjBzcmMlM0QlMjdodHRwJTNBJTJGJTJGbXVsdGlwdWJsaWNhY29lcy1hZHMuY29tJTJGd3d3JTJGZGVsaXZlcnklMkZhdncucGhwJTNGem9uZWlkJTNEMTAyJTI2YW1wJTNCY2IlM0RJTlNFUlRfUkFORE9NX05VTUJFUl9IRVJFJTI2YW1wJTNCbiUzRGE4M2MzMjU1JTI3JTIwYm9yZGVyJTNEJTI3MCUyNyUyMGFsdCUzRCUyNyUyNyUyMCUyRiUzRSUzQyUyRmElM0UlM0MlMkZub3NjcmlwdCUzRSUwQQ==”]