Sem as pessoas, não há recuperação nem resiliência

«Urge colocar em prática medidas no âmbito da sustentabilidade e da agilidade/flexibilidade das empresas, nomeadamente na sua Gestão de Pessoas, o que passa por tirar partido da cada vez maior mobilidade e globalização da força de trabalho, assim como de uma gestão efectiva da diversidade.» Leia o…

Como traduzir a revolução digital dos RH para o trabalho do dia-a-dia

A revolução digital dos Recursos Humanos já chegou e está a avançar a grande velocidade, e as organizações estão à procura de novas formas, eficazes e produtivas, de satisfazer as exigências evolutivas de fazer negócios – agilidade, acesso global 24/7, velocidade e precisão.

É este o protótipo do escritório híbrido

Como ainda não podemos saber do que as pessoas precisam ou querem, mais do que fazer inquéritos, é importante começar a fazer novamente pequenos grupos de pessoas para aprender experiências, e ajustar, ajustar, ajustar.

Standby management: Esperar é estar em movimento

Como no mundo dos sistemas de informação, em que o modo de standby protege os dispositivos contra a perda de dados, também na gestão de uma organização pode ser preciso colocá-la em espera, ao invés de ser simplesmente fechada. Mas quando uma organização adopta um modo de gestão de standby, deve…

As duas faces da moeda teletrabalho

Ainda que tenha prós e contras, a experiência do trabalho remoto marcará definitivamente a experiência do trabalhador. Leia a análise de Isabel Moço e Ana Sabino, coordenadoras e docentes na Universidade Europeia.

De bússola na mão: Os pontos cardeais que devem orientar os líderes

A capacidade de nos orientarmos pela honestidade e a virtude é importante para todos, mas sobretudo para aqueles cujo papel nos negócios ou na sociedade lhes confere o poder de influenciar e impressionar os outros. É por essa razão que os líderes devem trocar o cronómetro pela bússola.