Pedro Fontes Falcão, gestor: As empresas e a questão da felicidade

Nos últimos anos, a Finlândia tem sido considerada o país mais feliz do mundo. Sendo noite durante a maior parte do Inverno, com temperaturas muito frias, como pode a sua população ser a mais feliz? Será interessante perceber e, daí, tirar ilações para as empresas. Uma nota: Portugal ocupa o…

Nuno Troni, Randstad Professionals: O que esperar de 2023?

O ano que se aproxima a largos passos do seu final foi marcado por um fenómeno que estava em crescendo ao longo dos últimos anos, mas que atingiu um patamar inédito: a escassez de talento. E para 2023, o que podemos esperar?

Maria João Martins, My Change: Menos é mais

«Vamos fotografar o momento - foquem a objectiva, o que conseguem ver para “além da curva da estrada”? Menos é mais, ou seja, desfoquem do que não acrescenta valor e foquem onde é mais preciso compreender e reinventar.» Leia o artigo de Maria João Martins, partner da My Change.

Vanda de Jesus,iCapital Portugal: (Not) lost in translation

Em todo o meu percurso profissional – da gestão ao marketing, do público ao privado – sinto que a função mais importante que desempenhei foi traduzir. Passo a explicar. Leia o artigo de Vanda de Jesus, head of iCapital Portugal.

Diogo Alarcão, gestor: Tenho mais de 55 anos… So what?!

A grande maioria das empresas – públicas e privadas – continuam a olhar para as pessoas com mais de 55 anos com grande desconfiança. É tempo de superarem os preconceitos e terem a coragem de investir nesta geração. Leia o artigo de Diogo Alarcão, gestor.

Pedro Ramos, Keeptalent: All you need is L.O.V.E.

Há quem diga que vivemos agora a “Era das Pessoas” nas empresas... Prefiro, contudo, manter a “velha” expressão de que vivemos “o” tempo da “Experiência do Colaborador”. Tudo é experiencial, sensorial e, obviamente, emocional na relação entre as pessoas nas organizações, sejam estas líderes ou…

Ana Rita Lopes, Delta Cafés: Depois da tempestade, o anticiclone

Mais do que uma tempestade que passou, temos agora o desafio de gerir o anticiclone que veio para ficar. Mas será que as organizações já investiram tempo para perceber do que realmente precisam para os próximos tempos? Leia o artigo de Ana Rita Lopes, directora central de Recursos Humanos do Grupo…

Elsa Carvalho, Grupo Egor: Potenciar o “ressignificado” do trabalho

Se existem empresas e gestores que estão a saber aproveitar a aprendizagem trazida pela pandemia para evoluir para novas formas de organização da empresa, dos espaços físicos e do trabalho, outros há que, perante a aproximação de uma onda/tsunami, o tentam conter com as mãos.

Ana Porfírio, Jaba Recordati: O diabo está nos detalhes

Tal como uma vírgula pode mudar o sentido de uma frase, também o nosso comportamento, enquanto representantes de uma marca e exemplo dos valores e princípios que representa, pode determinar o sucesso ou insucesso de uma negociação ou nova parceria.

Catarina Horta, novobanco: De que clube és? Presencial ou remoto?

Esta é uma das primeiras perguntas quando se conhece alguém. Tipicamente, é-se do Benfica ou do Sporting – que me perdoem os portistas –, e isso estabelece logo ali uma afinidade ou uma pequena fricção social. Diria ser uma das perguntas que faz parte de um onboarding normal, já que todos querem…