Entrevista a Vera Rodrigues, MC: Falar a uma só voz, com respostas diferentes para necessidades distintas

Na MC, o número de colaboradores ascende a mais de 35 mil, com perfis distintos e distribuídos pelo País. Vera Rodrigues reconhece que encontrar um equilíbrio que permita chegar a todos é um desafio para a comunicação interna, colocando-a «constantemente à prova».

 

Por Ana Leonor Martins

 

Recentemente, a imagem corporativa do grupo Sonae mudou, e as unidades de negócio foram “rebatizadas”. A Sonae MC é agora MC. O nome pode mudar, mas não o ADN – o foco nas pessoas. Esse foco é também o que norteia a comunicação. E Vera Rodrigues, head of People e responsável pela Comunicação Interna, acredita que o primeiro passo deve começar «por dentro», até porque «os colaboradores são os nossos maiores embaixadores», afirma. Fazem questão de os ouvir, dar-lhes voz, conhecer e potenciar a sua experiência na empresa e co-construir com eles. «Não temos uma receita escrita na pedra, mas vamos acompanhando e ajustando a nossa estratégia àquilo que é mais importante: as necessidades das pessoas, as quais também vão evoluindo.»

 

As empresas – e o mundo – passaram por um grande desafio nos dois últimos dois anos, e agora temos uma guerra na Europa. Nestes tempos mais conturbados, a Comunicação assume um papel ainda mais importante nas empresas?
Os últimos dois anos foram – e estão a ser – muito desafiantes e exigentes para as pessoas, em diferentes dimensões, nomeadamente a profissional, com impacto na nossa relação com a entidade empregadora, trazendo novas expectativas. Em particular em momentos de crise, o acesso à informação é fundamental, tal como a transparência, que reforça o compromisso dos colaboradores e o sentimento de pertença.

Por outro lado, o mundo em que vivemos obriga-nos – também em termos de comunicação – a uma agilidade e capacidade de inovação sem precedentes, mas sem esquecer a vertente humana. Na MC, colocamos as pessoas e o valor que elas aportam no centro das nossas decisões; avançamos juntos. E isso passa também por comunicarmos mais e melhor e por sabermos ouvir as nossas pessoas.

 

Durante a pandemia, desenvolveram novas ferramentas de comunicação interna ou criaram novas práticas/iniciativas que se tenham revelado uma importante mais-valia e que por isso tenham mantido?
Em plena crise, usámos tudo o que tínhamos, e ainda conseguimos alargar e optimizar os nossos canais e conteúdos a vários níveis.

Relativamente aos conteúdos, procurámos sempre contar histórias na primeira pessoa e humanizá-las através de testemunhos, demos voz às nossas lideranças, explicámos as medidas implementadas e como é que os negócios se estavam a reinventar, como é que as equipas se estavam a mobilizar para ajudar quem enfrentava períodos mais difíceis. Tudo isto levou a uma aproximação muito grande de todos, algo que claramente veio para ficar.

Para além disso, foram inúmeras as iniciativas que se desmultiplicaram através de diferentes meios, tanto físicos como digitais, sempre com o foco de apoiar, motivar e reconhecer os colaboradores, e de forma bastante criativa.

Desenvolver os benefícios de saúde dos colaboradores foi também prioritário, bem como endereçar temas que se tornam muito relevantes, como a saúde mental, o apoio às famílias e a importância de promover boas práticas de trabalho remoto.

 

E aceleraram a digitalização?
Sim… A verdade é que quando fomos surpreendidos pela chegada da COVID-19, já estávamos a viver um período de restruturação da nossa Comunicação, a trabalhar num princípio único e abrangente que promovesse a união, algo tão desafiante numa empresa com a dimensão e heterogeneidade da nossa. Uma comunicação que fortalecesse os atributos da nossa proposta de valor, através de uma linguagem clara e consistente.

Acelerámos, sim, o caminho de digitalização dos nossos canais internos. Destaco o lançamento da app interna do colaborador: a App Better Together; uma plataforma digital – mobile – integrada, desenvolvida internamente, e agregadora das ferramentas existentes, através da qual os colaboradores têm acesso ágil a informações úteis.

 

Num mundo cada vez mais digital, é a comunicação que permite que o “humano” não se perca?
Não sei se é a comunicação que humaniza o digital, diria que vem antes disso. Ou seja, é a estratégia que definimos para ela. Digital ou não, na MC colocamos os colaboradores no centro de tudo o que fazemos, o que traz um lado muito humano à nossa organização, que se reflecte em tudo, inclusivamente na nossa estratégia de comunicação. Quando queremos falar sobre os negócios, são as nossas pessoas, as nossas equipas que o fazem, através dos seus testemunhos e sucessos. Celebramos o desenvolvimento das nossas pessoas, e apostamos na sua valorização e crescimento contínuo. Quando pensamos em bem-estar e nas iniciativas que vamos desenvolver, falamos com as pessoas, tentamos ouvir e compreender as suas necessidades para podermos oferecer soluções que realmente as sirvam.

No início do ano passado, lançámos um novo modelo de liderança, que já vinha a ser trabalhado desde 2019, e que revela bem a maneira como a MC vê a liderança: acreditamos numa liderança próxima e humana. Queremos líderes focados nas equipas e no desenvolvimento das pessoas, que promovam uma cultura de optimismo, confiança e autonomia. Líderes inspiradores, que influenciam e desenvolvem, que ouvem as suas pessoas, e que lhes dedicam tempo e atenção efectiva.

 

Falou no desafio acrescido trazido pela vossa dimensão, o qual é exponenciado pelos novos modelos de trabalho, que trouxeram maior dispersão das pessoas. É mais difícil agora trabalhar temas como a cultura e o espírito de equipa?
Esse grande desafio já existia na nossa realidade. Na MC, coexistem realidades muito distintas: mais de 35 mil colaboradores de diferentes negócios – estruturas, operações e logística –, distribuídos por todo o País, com funções de natureza muito diversa. O trabalho remoto também já era uma realidade, mas aquilo que era até então uma excepção veio tornar-se rotina.

No entanto, estamos cientes dos desafios que temos pela frente, como é o caso da estabilização destes novos modelos de trabalho, onde predomina o modelo hibrído, na realidade dos nossos escritórios. Mas as nossas soluções de flexibilidade também se adequam a quem tem preferência por trabalhar 100% presencial.

O período que vivemos reforçou algumas convicções que já tínhamos: que somos capazes de trabalhar bem à distância e que há inúmeras vantagens nesta nova forma de trabalhar. Mas também se tornou evidente que, como seres sociais que somos, precisamos da interacção. Tendo em consideração as vantagens e os desafios do trabalho remoto, a MC tem uma visão muito clara: já não é possível imaginar um futuro sem trabalho remoto, mas é essencial definir e implementar regras transversais e garantir que o escritório continua a ser o centro da nossa organização. Queremos realmente tirar partido das interacções presenciais, fomentar a nossa cultura e promover a colaboração entre todos. O valor que há nessa interacção é determinante para o sucesso da MC!

 

Leia a entrevista na íntegra na edição de Junho (nº.138) da Human Resources, nas bancas.

Caso prefira comprar online, pode optar pela versão em papel ou a versão digital.

Ler Mais


Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

*