Lifelong learner: preparado para se tornar um?

Esqueça o que pensa que sabe sobre educação. Apague o paradigma tradicional de ensino linear, fragmentado e repetitivo, que marcou o século passado. Para estarmos preparados para os desafios do século XXI, é preciso interiorizar que, daqui para a frente, temos que aprender, desaprender e aprender novamente.

Por Sandra Turchi, directora e fundadora da Digitalents

 

No século XXI, todos, sem excepção, vamos precisar de nos tornar “lifelong learners”. Eternos aprendizes seria a tradução literal do termo, que começou a ser usado ainda no já distante  ano de 1993, mas cuja popularização é recente. Aprendizes contínuos, no sentido de busca incessante por novos conhecimentos e, principalmente, experiências.

Uma educação voltada a uma função específica, exercida pelo resto da vida, não faz o menor sentido nos dias de hoje. O paradigma do século XX, de educação tecnicista, definitivamente não vai preparar ninguém para os desafios no século XXI. Estruturas que até pouco tempo serviam, agora estão a desmoronar – sobretudo em relação às novas gerações.

Na era digital, o conhecimento é conectado, não-linear e interdisciplinar. O “mindset” é outro. E a única maneira de estar preparado é entender a aprendizagem, não como processo condicionado a determinado número de anos, ou a uma etapa específica da vida, mas como um projecto de longo prazo, que começa na primeira infância e não tem data para acabar. A aprendizagem ao longo da vida, aprendendo, desaprendendo, e aprendendo novamente, será a única forma de nos mantermos em conexão com o mundo.

Toda essa transformação traz desconforto e insegurança. Mas a questão passa pelas nossas próprias escolhas: vamos permanecer nostálgicos em relação ao passado ou seguir em frente, autodesafiando-nos, aprendendo e evoluindo constantemente. É necessário coragem para “deitar fora” muito do que aprendemos no passado. A propósito: costumo sempre usar a expressão “non-stop learning” para falar sobre esta necessidade de aprendizagem contínua e permanente.

Adquirir novas competências, que substituam as que caducaram, deve ser uma constante. Melhor ainda do que tentar obter essas competências na vida adulta, é estimulá-las nas crianças desde cedo. Isso pode ser feito nas escolas através de estratégias e práticas já testadas e comprovadas. Aprendizagem por projectos, mentoring, mentalidade de crescimento (growth mindset) e metacognição (o aprender a aprender), são algumas delas.

A preparação para os novos tempos pode – e deve – começar na sala de aula. O quanto antes. O mais importante é os alunos e, principalmente, os educadores de hoje, terem a consciência de que, para produzirmos pessoas bem-sucedidas, realizadas e capazes de criar e cocriar no mundo actual, todos nós – crianças, jovens e adultos – teremos que estudar a vida inteira. Dessa forma, aprender a aprender passa a ser imprescindível. Porque, parafraseando o meu amigo Romeo Busarello, “não vivemos só uma época de mudança, mas uma mudança de época”.

Ler Mais
Artigos relacionados

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

*

MULTIPUBLICAÇÕES

[vc_multibar_post nc_mp_bar_revive=”JTBBJTNDc2NyaXB0JTIwdHlwZSUzRCUyN3RleHQlMkZqYXZhc2NyaXB0JTI3JTNFJTNDJTIxLS0lMkYlMkYlM0MlMjElNUJDREFUQSU1QiUwQSUyMCUyMCUyMHZhciUyMG0zX3UlMjAlM0QlMjAlMjhsb2NhdGlvbi5wcm90b2NvbCUzRCUzRCUyN2h0dHBzJTNBJTI3JTNGJTI3aHR0cHMlM0ElMkYlMkZtdWx0aXB1YmxpY2Fjb2VzLWFkcy5jb20lMkZ3d3clMkZkZWxpdmVyeSUyRmFqcy5waHAlMjclM0ElMjdodHRwJTNBJTJGJTJGbXVsdGlwdWJsaWNhY29lcy1hZHMuY29tJTJGd3d3JTJGZGVsaXZlcnklMkZhanMucGhwJTI3JTI5JTNCJTBBJTIwJTIwJTIwdmFyJTIwbTNfciUyMCUzRCUyME1hdGguZmxvb3IlMjhNYXRoLnJhbmRvbSUyOCUyOSUyQTk5OTk5OTk5OTk5JTI5JTNCJTBBJTIwJTIwJTIwaWYlMjAlMjglMjFkb2N1bWVudC5NQVhfdXNlZCUyOSUyMGRvY3VtZW50Lk1BWF91c2VkJTIwJTNEJTIwJTI3JTJDJTI3JTNCJTBBJTIwJTIwJTIwZG9jdW1lbnQud3JpdGUlMjAlMjglMjIlM0NzY3IlMjIlMkIlMjJpcHQlMjB0eXBlJTNEJTI3dGV4dCUyRmphdmFzY3JpcHQlMjclMjBzcmMlM0QlMjclMjIlMkJtM191JTI5JTNCJTBBJTIwJTIwJTIwZG9jdW1lbnQud3JpdGUlMjAlMjglMjIlM0Z6b25laWQlM0QxMDIlMjIlMjklM0IlMEElMjAlMjAlMjBkb2N1bWVudC53cml0ZSUyMCUyOCUyNyUyNmFtcCUzQmNiJTNEJTI3JTIwJTJCJTIwbTNfciUyOSUzQiUwQSUyMCUyMCUyMGlmJTIwJTI4ZG9jdW1lbnQuTUFYX3VzZWQlMjAlMjElM0QlMjAlMjclMkMlMjclMjklMjBkb2N1bWVudC53cml0ZSUyMCUyOCUyMiUyNmFtcCUzQmV4Y2x1ZGUlM0QlMjIlMjAlMkIlMjBkb2N1bWVudC5NQVhfdXNlZCUyOSUzQiUwQSUyMCUyMCUyMGRvY3VtZW50LndyaXRlJTIwJTI4ZG9jdW1lbnQuY2hhcnNldCUyMCUzRiUyMCUyNyUyNmFtcCUzQmNoYXJzZXQlM0QlMjclMkJkb2N1bWVudC5jaGFyc2V0JTIwJTNBJTIwJTI4ZG9jdW1lbnQuY2hhcmFjdGVyU2V0JTIwJTNGJTIwJTI3JTI2YW1wJTNCY2hhcnNldCUzRCUyNyUyQmRvY3VtZW50LmNoYXJhY3RlclNldCUyMCUzQSUyMCUyNyUyNyUyOSUyOSUzQiUwQSUyMCUyMCUyMGRvY3VtZW50LndyaXRlJTIwJTI4JTIyJTI2YW1wJTNCbG9jJTNEJTIyJTIwJTJCJTIwZXNjYXBlJTI4d2luZG93LmxvY2F0aW9uJTI5JTI5JTNCJTBBJTIwJTIwJTIwaWYlMjAlMjhkb2N1bWVudC5yZWZlcnJlciUyOSUyMGRvY3VtZW50LndyaXRlJTIwJTI4JTIyJTI2YW1wJTNCcmVmZXJlciUzRCUyMiUyMCUyQiUyMGVzY2FwZSUyOGRvY3VtZW50LnJlZmVycmVyJTI5JTI5JTNCJTBBJTIwJTIwJTIwaWYlMjAlMjhkb2N1bWVudC5jb250ZXh0JTI5JTIwZG9jdW1lbnQud3JpdGUlMjAlMjglMjIlMjZjb250ZXh0JTNEJTIyJTIwJTJCJTIwZXNjYXBlJTI4ZG9jdW1lbnQuY29udGV4dCUyOSUyOSUzQiUwQSUyMCUyMCUyMGlmJTIwJTI4ZG9jdW1lbnQubW1tX2ZvJTI5JTIwZG9jdW1lbnQud3JpdGUlMjAlMjglMjIlMjZhbXAlM0JtbW1fZm8lM0QxJTIyJTI5JTNCJTBBJTIwJTIwJTIwZG9jdW1lbnQud3JpdGUlMjAlMjglMjIlMjclM0UlM0MlNUMlMkZzY3IlMjIlMkIlMjJpcHQlM0UlMjIlMjklM0IlMEElMkYlMkYlNUQlNUQlM0UtLSUzRSUzQyUyRnNjcmlwdCUzRSUzQ25vc2NyaXB0JTNFJTNDYSUyMGhyZWYlM0QlMjdodHRwJTNBJTJGJTJGbXVsdGlwdWJsaWNhY29lcy1hZHMuY29tJTJGd3d3JTJGZGVsaXZlcnklMkZjay5waHAlM0ZuJTNEYTgzYzMyNTUlMjZhbXAlM0JjYiUzRElOU0VSVF9SQU5ET01fTlVNQkVSX0hFUkUlMjclMjB0YXJnZXQlM0QlMjdfYmxhbmslMjclM0UlM0NpbWclMjBzcmMlM0QlMjdodHRwJTNBJTJGJTJGbXVsdGlwdWJsaWNhY29lcy1hZHMuY29tJTJGd3d3JTJGZGVsaXZlcnklMkZhdncucGhwJTNGem9uZWlkJTNEMTAyJTI2YW1wJTNCY2IlM0RJTlNFUlRfUkFORE9NX05VTUJFUl9IRVJFJTI2YW1wJTNCbiUzRGE4M2MzMjU1JTI3JTIwYm9yZGVyJTNEJTI3MCUyNyUyMGFsdCUzRCUyNyUyNyUyMCUyRiUzRSUzQyUyRmElM0UlM0MlMkZub3NjcmlwdCUzRSUwQQ==”]