Trabalhadores querem mais formação e requalificação

O relatório de 2020 do Randstad Workmonitor destaca que, entre as propostas de valor que os trabalhadores mais desejam, mais de um terço quer formação no trabalho.

 

De acordo com a Organização Internacional do Trabalho (OIT), espera-se que as horas de trabalho perdidas a nível mundial no terceiro trimestre deste ano, em comparação com o mesmo período em 2019, atinjam 345 milhões de empregos ETI. Embora este número seja enorme, na realidade é uma melhoria em relação ao segundo trimestre, tendo a OIT estimado a perda de 495 milhões de ETIs.

Com tantos empregos perdidos este ano, a recolocação de talentos tornou-se uma prioridade para muitas empresas e governos. Isto só é possível graças a esforços extensivos de valorização de trabalhadores excedentários. Mesmo para aqueles que permanecem empregados, a valorização e a requalificação são fundamentais para que contribuam para uma força de trabalho eficaz e garantam a sua empregabilidade no futuro.

Os dados da Randstad mostraram que uma grande percentagem da força de trabalho global está a esforçar-se para adquirir novas competências necessárias durante a pandemia. As dificuldades foram mais pronunciadas na região da Ásia-Pacífico e menos alarmantes no Leste da Europa. Independentemente da localização, pelo menos um terço dos inquiridos em cada região expressou esta preocupação.

No início da pandemia, tornou-se claro que os trabalhadores de alguns sectores iriam ser afectados de forma muito mais grave do que outros. Por exemplo, o sector das viagens cessou essencialmente em Março. Enquanto algumas companhias aéreas rapidamente demitiram pessoal, outras encontraram uma forma de preparar os seus trabalhadores para diferentes percursos profissionais.

Como isto deve ser feito é uma questão com que muitas organizações estão a lidar, e o inquérito da Randstad mostrou que a maioria dos trabalhadores acredita que a actualização das competências da força de trabalho deve ser uma responsabilidade partilhada. Uma pequena maioria acredita que tanto os empregadores como os empregados precisam de manter as competências relevantes, enquanto mais de um quarto as considera apenas como um dever dos empregadores. Menos de um quinto diz que os trabalhadores devem actualizar regularmente as competências.

Este panorama muda quando se trata de trabalhadores que perderam os seus empregos durante a pandemia. Um grande número acredita que é da responsabilidade dos empregadores ajudar a requalificar os trabalhadores que despediram, enquanto um quarto diz que os governos e os próprios trabalhadores precisam de assumir esta função. Uma maior percentagem considera os sindicatos responsáveis. O relatório de 2020 do Randstad Workmonitor destaca que, entre as propostas de valor que os trabalhadores mais desejam, mais de um terço quer formação no trabalho.

Mesmo olhando para além da pandemia, muitos trabalhadores sentem que querem um emprego que os ajude a permanecer relevantes no mercado de trabalho. Entre as propostas de valor que os trabalhadores mais desejam, mais de um terço deseja formação no trabalho. Isto indica a preocupação de que, caso outro desastre afecte a sua entidade patronal, eles terão as competências necessárias para encontrar emprego noutro local.

Embora apenas uma minoria de trabalhadores sinta a responsabilidade de adquirir as competências de que necessita para avançar nas suas carreiras, a maior parte diz que toma a iniciativa de aprender novas competências e está confiante de que possui competências que aumentam a sua empregabilidade.

Adquirir as competências necessárias para assegurar a empregabilidade futura é claramente um forte desejo entre muitos trabalhadores, mas ainda mais importante é a necessidade de um contexto de trabalho seguro e de garantias do empregador, conforme constatado pelo inquérito da Randstad. Mais de metade afirma que pretende protecção salarial quando a pandemia tiver abrandado, e mais de um terço quer protocolos de saúde e segurança robustos para os seus empregos. Quase tantos esperam que os seus empregadores forneçam seguros de saúde e segurança do emprego.

 

Este artigo foi publicado na edição de Abril (nº.124) da Human Resources na rúbrica Tendências 360.

Pode comprar nas bancas ou online, estando disponível a versão papel e versão digital.

Ler Mais



loading...

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.