6 dicas para lidar com um ambiente de trabalho tóxico

Provavelmente já lhe terá acontecido chegar ao local de trabalho com a sensação (ou a certeza) de que iria ser mais um dia difícil. Mais um dia no qual teria de lidar com aquele colega que está constantemente a reclamar de outro(s) colega(s) ou de decisões com as quais não concorda. Ou mesmo o colega que considera constantemente que o seu trabalho é irrepreensível e que tudo gira em torno de si mesmo.

Por Micael Santos, Assistente de Marketing e Comunicação da RHmais

Nesses momentos, por certo sentiu a sua ‘alma a abandonar o corpo’ sem possibilidade de retorno e pensou para si mesmo: “como é que eu lido com isto da melhor forma?”.

Bem, não poderemos dizer que é uma tarefa fácil, porque não é. No entanto, há sempre uma de duas escolhas que podemos fazer: (1) deixarmo-nos influenciar pela toxicidade constante ou, (2) nos casos em que podemos agir, tomarmos uma atitude assertiva e tentar mudar a situação de forma positiva.
Os efeitos de ambiente tóxicos são bem conhecidos, sendo que em situações extremas poderão levar a depressões ou a outros problemas de saúde graves. Com isto em mente, a melhor opção é, sem dúvida, aprender a gerir as situações da melhor forma, sem as ignorar.

Por isso, aqui ficam algumas dicas que irão ajudar a lidar melhor com um ambiente de trabalho tóxico:

1. Na presença de um colega tóxico, não acompanhe a sua toxicidade
Por outras palavras, é importante não validar o comportamento que origina a toxicidade. Quando algum colega está num ‘ataque de nervos’ porque, por exemplo, pediu à chefia para sair mais cedo e não foi autorizado, tente não se envolver na conversa de forma precipitada e em jeito de validação da irritação do colega (por mais tentador que possa ser).
Em vez disso, canalize a conversa para um outro tópico. O que o colega fará de seguida pode não ser previsível ou do seu controlo, mas é importante deixar claro que não irá ‘embarcar’ no seguimento da conversa. O colega poderá, no entanto, recorrer à aprovação de outras pessoas ao redor, mas a falta de validação recebida da sua parte poderá ser suficiente para um ganho de consciência sobre a sua atitude.

2. Stress, ‘amanhã há mais’
É perfeitamente natural que, em períodos de trabalho mais exigentes, haja a necessidade de desabafar com alguém mais próximo, muitas vezes com um colega que trabalha directamente connosco, sobre o quão desafiante está a ser esse período. No entanto, por vezes é extremamente importante policiarmo-nos quando este tipo de conversa surge com maior frequência do que o expectável. Porquê, pergunta? Porque os colegas – ou outras pessoas do seu círculo – irão ficar exaustas com as sucessivas queixas (mesmo que os seus argumentos sejam válidos) e também você irá ficar cansado por estar constantemente a gastar energia com algumas coisas que, ou não pode mudar de todo, ou levarão mais tempo até sofrerem uma mudança. O importante a reter é que deve tentar encontrar um balanço saudável. Para si e para os que o/a rodeiam.

3. ‘Refugie-se’ nos colegas que são mais positivos
De um modo geral, em cada ambiente de trabalho há colegas muito diferentes uns dos outros, o que também nos leva à questão da toxicidade no trabalho. Mesmo que, à primeira vista, o ambiente seja tóxico, haverá colegas que percepcionam a situação do mesmo modo que você, mas poderão ter uma maior facilidade em reagir de forma positiva. A verdade é esta: são estes colegas que deve procurar nesses momentos. Todos temos aquele colega que diz a palavra certa e no momento certo para colocar toda a equipa bem-disposta e que torna as situações menos preocupantes do que elas realmente parecem inicialmente. Mesmo que não reconheça esta característica em nenhum colega seu, pode sempre ser o primeiro a ‘desbravar o terreno’.

4. Aprender a enfrentar as situações
Nos casos em que já existe alguma animosidade difícil de ignorar, talvez seja um indicativo de que está no momento de se encarar e tratar o problema. Em situações de elevado stress, por vezes poderá ser difícil abordar as questões problemáticas, por isso pode recorrer a um amigo mais próximo ou alguém que já tenha passado por situações semelhantes e procurar a sua perspectiva. Assim, poderá passar na sua mente os pontos importantes que quer referir na troca de ideias com a pessoa que, na sua percepção, está a causar o problema, ajudando assim a ter um discurso mais eficiente e com maior confiança.

5. Ganhar confiança
Quando existem subchefias, entramos sempre em dois campos distintos: a necessidade de sermos autónomos e a necessidade de controlo, e é algures entre estes dois polos que a confiança é construída. Um possível caminho para ir ganhando a confiança de um chefe, passa por fornecer-lhe informação e controlo. Resistir a isso só irá retardar o ganho dessa mesma confiança. Neste processo, há-que tentar antecipar as suas necessidades e/ou pedidos, isto é, tentar perceber, ainda antes de ser pedido, aquilo que a chefia necessita (também apelidado, muitas vezes, por ser-se proactivo). Depois, é essencial apostar numa comunicação clara, fornecendo toda a informação de que a chefia precisa, incluindo atualizações ao trabalho desenvolvido. O objectivo passa por ficar o mais possível alinhado com os seus superiores, evitando alguns pontos problemáticos que possam surgir por falta de comunicação clara e objectiva.

6. Encontre formas de aliviar o stress fora do contexto de trabalho
É importante garantir que, fora do ambiente de trabalho, existe uma vida que nos preenche o suficiente para equilibrar o nosso bem-estar. Agendar programas com os amigos ou planear atividades, como uma aula de ioga ou um passeio de bicicleta, são exercícios que contribuem imenso para o bem-estar físico e psicológico. Após um dia intenso, as actividades que não relacionadas com o trabalho são um óptimo ‘aperitivo’ para o bem-estar, e que o/a podem deixar totalmente ‘revigorado’ para mais um dia de resistência/combate à toxicidade.

Ler Mais
pub


Comentários
A carregar...