ATEC: Formação transversal

A acelerada evolução tecnológica e a agressividade da concorrência têm colocado vários desafios às empresas ao nível do recrutamento de pessoas qualificadas.

 

As dificuldades sentem-se, nomeadamente, nas funções mais técnicas, pelo que, quando se fala de escassez de mão-de-obra qualificada, as empresas identificam este como sendo um dos grandes obstáculos ao seu crescimento, como alerta em entrevista João Carlos Costa, director-geral da ATEC.

Qual a proposta de valor da ATEC?

Vamos encontrar outros desafios dentro das próprias empresas que resultam de diferenças geracionais, de valores, de cultura organizacional e da desadequação das competências dos actuais colaboradores aos novos skills digitais. Para dar resposta a estes desafios, a ATEC desenvolveu um programa de formação customizado que actua na formação de equipas técnicas. A proposta de valor principal é a entrega chave na mão de um conjunto de serviços especializados, que vão desde a definição do perfil de uma nova função, o desenho de um programa de formação totalmente ajustado à realidade e necessidade da empresa, o recrutamento e selecção de candidatos, a formação técnica especializada, aculturamento, e à formação de tutores internos para acompanhar os futuros colaboradores em formação. Mais do que formar pessoas, este modelo propõe-se “reinventar” pessoas, conceito este que dá nome ao programa ReInventing People.

Qual o perfil das empresas que vos procuram para ministrar este tipo de formações?

Este modelo já foi desenvolvido com sucesso em empresas de variados sectores de actividade, desde a indústria do papel, alimentar, automóvel, madeira, até à área da metalomecânica, funcionando sempre com diferentes parâmetros consoante as necessidades e objectivos da empresa cliente.

De que forma estas formações têm evoluído? 

A actualização de conhecimentos é imperativa no contexto actual de constante mudança e evolução tecnológica. As entidades formadoras têm de procurar antecipar as necessidades das empresas, actualizar conteúdos e criar novos que acompanhem a evolução e consigam responder de forma eficaz às necessidades dos profissionais dos mais variados sectores de actividade.

A que necessidades pretendem as empresas dar resposta?

Na grande maioria dos casos, as empresas procuram conseguir apoio no recrutamento e formação inicial de técnicos qualificados, principalmente ao nível de funções de manutenção. As empresas necessitam de integrar, de forma rápida e sustentada, novos técnicos qualificados, alinhados com as especificidades do sector, e é aqui que a ATEC entra. A requalificação de colaboradores internos com novas competências técnicas e/ou comportamentais para acompanharem a evolução tecnológica, é outra das solicitações.

Numa área concorrencial e que muda a grande velocidade, como assegura a ATEC a sua posição no mercado?

Enquanto entidade formadora, a ATEC tem a obrigação de estar actualizada e conhecer pormenorizadamente as necessidades das empresas. Adicionalmente, procuramos adequar e actualizar metodologias e soluções de formação que mitiguem as dificuldades que as empresas enfrentam com dispersão geográfica dos seus activos e ambientes multigeracionais. A customização da formação, a diferenciação e a flexibilidade são essenciais na nossa estratégia face a clientes cada vez mais exigentes que anseiam maior eficácia e rápido retorno do investimento. Temos ainda a grande vantagem de ser referência na formação técnica e de conseguirmos aliar esta formação técnica à formação comportamental, esta última cada vez mais imprescindível.

Estão as empresas a investir em formação? Em que áreas?

Cada vez mais as empresas encaram a formação como um investimento e não
como um custo. A formação inicial de colaboradores com competências técnicas ajustadas à função, aculturamento de novos colaboradores, liderança, inteligência emocional, resolução de problemas, trabalhar com equipas multigeracionais, são as áreas que registam maior procura.

E para dar resposta a estas necessidades pedem programas customizados?

As empresas necessitam cada vez mais de programas adequados à sua estratégia. A par de formação específica ao nível de competências técnicas e competências digitais, são mais solicitados programas de formação ajustados que actuem nas diferenças geracionais nas equipas de trabalho, na identificação com valores e cultura organizacional e na liderança nos vários níveis hierárquicos.

Como avaliam o sucesso das formações?

A implementação de qualquer programa à medida é acompanhada por especialistas da ATEC em conjunto com a empresa, por forma a fazer os necessários ajustes e, assim, potenciar a sua eficácia. Uma das melhores formas de avaliar o sucesso é através da fidelização dos clientes com os quais já desenvolvemos projectos e com a procura crescente por parte de novas empresas.

Que novas formas de aprendizagem privilegiam, e de que forma são inovadoras?

As metodologias e ferramentas usadas nos programas de formação têm de ser ajustadas ao público-alvo, sendo que há públicos que nos permitem recorrer a metodologias mais inovadores, como seja o recurso a escape rooms, por exemplo. Das formações que consideramos mais disruptivas, podemos destacar os programas à medida que trabalham o paradigma geracional e a liderança, como o Passaporte de Liderança.

 

Este artigo foi publicado na edição de Junho da Human Resources, no Caderno Especial sobre Formação.

Ler Mais
Artigos relacionados

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

*

MULTIPUBLICAÇÕES

Marketeer
Cristiano Ronaldo promove curso que ensina a ser influenciador
Automonitor
Os peculiares protótipos que a Daihatsu vai levar a Tóquio