Caderno Especial: Igualdade de Género

Quando comparado com os outros Estados-membros da União Europeia, Portugal está longe de ser o melhor classificado em termos de Igualdade de Género. Na Europa dos 28, fica em 21.º, apenas à frente do Chipre, da República Checa, da Croácia, da Eslováquia, da Roménia, da Hungria e da Grécia.

 

Segundo o Gender Equality Index 2017, elaborado pelo Instituto Europeu para a Igualdade de Género (European Institute for Gender Equality – EIGE), a União Europeia (UE) está a fazer progressos nesta matéria, mas de forma lenta. A média do bloco é de 66,2 pontos percentuais em 100, tendo aumentado quatro pontos em dez anos. Portugal está abaixo da média, com 56 pontos em 2015. Em 2005, tinha 49,9.

Para elaborar o index, são avaliados seis domínios: Saúde, Trabalho, Independência Económica, Educação, Tempo e Poder. Enquanto nos primeiros três Portugal tem uma média positiva, nos restantes ainda tem melhorias a fazer.

Leia o artigo na íntegra na edição de Abril da Human Resources Portugal e conheça os seguintes casos práticos: 

BP Portugal: Progressão pela capacidade
A meritocracia não está associada a um género. Construir uma BP diversa, onde todos os colaboradores são valorizados é um dos lemas de sucesso da empresa. E o caminho traçado tem dado frutos, a estratégia de Diversidade e Inclusão é conhecida por todos desde o dia 1 na BP.

CTT: Uma nova atitude
Uma mudança de paradigma tem vindo a repercutir-se positivamente pela companhia. A linguagem inclusiva é já um requisito interno “oficial” e um hábito quotidiano adquirido.

EDP: Mindset para a Igualdade
A Diversidade e Inclusão fazem parte da cultura da EDP. Um compromisso assumido interna e externamente em quatro dimensões: género, deficiência, gerações e nacionalidades.

Galp: A Diversidade é boa para o negócio
Apesar de ser a única empresa cotada portuguesa presidida por uma mulher e de ter duas vogais no conselho de administração, a Galp tem vindo a desenvolver inúmeras iniciativas destinadas a quebrar o chamado “tecto de vidro”.

PwC: Uma questão de sustentabilidade
Na PwC sabe-se que os talentos apresentam diferentes formas e que as pessoas são tão dversas como a natureza humana. Por isso, só garantindo a igualdade de oportunidades e respeito pelas diferenças se garante a sustentabilidade do negócio.

REN: O talento não tem género
Para a REN, não se trata de comprometer o mérito em favor do género, mas sim de dar oportunidade às mulheres de demonstrar as suas capacidades e o seu talento, sempre que se encontrem em iguais condições de acesso a determinada função, seja ela técnica, de direcção ou de administração.

Sonae MC: Um driver de dinamismo e criatividade
Sendo a distribuição um sector predominantemente feminino, o grande desafio da Sonae está centrado na diversidade de género na liderança e não tanto na workforce como todo.

Vila Galé: Valorização dos colaboradores
Empresa familiar focada no turismo para famílias, a Vila Galé tem desde sempre a preocupação de proteger a maternidade, de estimular e reforçar a parentalidade, assegurado a conciliação entre a vida familiar e profissional.

Vodafone: Promover a diversidade e a inclusão
Para a Vodafone, a Igualdade de Género é apenas um dos eixos da estratégia de diversidade e inclusão seguida pela empresa.

Xerox: Crença na diversidade
Através de um conjunto abrangente de iniciativas e de acções mensuráveis, a Xerox promove a diversidade, nutrindo uma cultura de inclusão e igualdade de oportunidade. E é gerida como qualquer outro objectivo de negócio.

Veja também estes cadernos.

Ler Mais
Comentários
A carregar...

MULTIPUBLICAÇÕES

Marketeer
Demora uma hora a chegar à IKEA? Esse tempo pode valer uma mesa grátis
Automonitor
Presidente promulga diploma sobre alteração de matrículas automóveis