Cidadãos estrangeiros têm maior probabilidade de serem sobrequalificados, conclui pesquisa do Eurostat

Os resultados mais recentes da obre a força de trabalho da União Europeia (UE) mostram que os cidadãos estrangeiros empregados têm maior probabilidade do que os nacionais de serem sobrequalificados para o trabalho. 

Em 2020, a taxa de sobrequalificação da UE era de 41,4% para os cidadãos de países terceiros e de 32,3% para os cidadãos de outros Estados-Membros da UE. Em contrapartida, a taxa de sobrequalificação para os nacionais situou-se em 20,8%.

Os dados do Eurostat revelam ainda que todos os Estados-Membros da UE, a percentagem mais elevada de cidadãos não pertencentes à UE sobrequalificados foi registada em 2020 na Grécia (71,6%), seguida pela Itália (66,5%), Espanha (57,1%) e Chipre (55,9%). Para os cidadãos de outros Estados-Membros da UE, as percentagens mais elevadas de trabalhadores sobrequalificados também se registaram na Itália (47,8%), Chipre (47,7%) e Espanha (47,2%). A percentagem de cidadãos nacionais com emprego sobrequalificados foi mais elevada em Espanha (34,5%), Chipre (30,5%) e Grécia (30,4%).

O Luxemburgo relatou as taxas de sobrequalificação mais baixas em geral em 2020, independentemente da cidadania dos trabalhadores; sendo 3,2% para os nacionais sobrequalificados, 3,5% para os cidadãos de outros Estados-Membros da UE e 10,8% para os cidadãos de países terceiros.

O Eurostat indica ainda que uma comparação das taxas de sobrequalificação entre os sexos revela que existia uma disparidade de género na UE para os três tipos de cidadania.

Em 2020, a taxa de sobrequalificação entre os nacionais era 1,0 ponto percentual maior para as mulheres do que para os homens; a disparidade entre os sexos era maior para os cidadãos de outros Estados-Membros da UE e para os cidadãos de países terceiros (6,0 pontos e 6,4 pontos, respectivamente).

No que diz respeito à comparação por faixa etária, em 2020 na UE, as taxas de sobrequalificação para cidadãos não pertencentes à UE e cidadãos de outros Estados-Membros da UE eram geralmente mais elevadas entre os mais velhos (35-64 anos) do que entre os mais jovens (20-34 anos) anos) pessoas, enquanto a situação para os nacionais era inversa.

A taxa de sobrequalificação para os cidadãos mais velhos de países terceiros era 9,4 pontos percentuais mais elevada do que a taxa correspondente para os cidadãos mais jovens de países terceiros. Para os cidadãos de outros Estados-Membros da UE, esta diferença era inferior em 2,2 pontos percentuais.

Em contraste, a taxa de superqualificação para os nacionais era mais alta entre os mais jovens do que entre os mais velhos, uma diferença de 4,6 pontos percentuais.

Ler Mais
pub


Comentários
A carregar...