Cinco passos para tornar a sua empresa mais inclusiva e diversa

Junho marca o mês do orgulho LGBTQI+, um pouco por todo o mundo, e reforça a necessidade de se debater o tema e abrir caminho à mudança de mentalidade. Neste sentido, o ManpowerGroup apresenta cinco passos que as empresas devem adoptar para combater as estatísticas que afirmam que, em Portugal, mais de metade das organizações não tem políticas que promovam a inclusão e a diversidade.

 
1. Conhecer os Padrões de Conduta para Empresas da Organização das Nações Unidas (ONU)A campanha ONU Livres & Iguais, iniciativa que tem por vista promover direitos justos para a comunidade LGBTQI+, definiu cinco Padrões de Conduta que as empresas devem conhecer e aplicar no seu quotidiano, de forma a contribuir para um ambiente mais inclusivo, respeitador e justo para todos. Estes são aplicados a nível laboral, do mercado, da comunidade e ainda transversalmente a todas as ocasiões, e referem-se a: Respeitar os Direitos Humanos; Eliminar a Discriminação; Apoiar; Prevenir Outras Violações dos Direitos Humanos, e, por fim, Agir na Esfera Pública.

2. Desenvolver uma política corporativa eficaz de DEIB
A sigla DEIB – que se refere à Diversidade, Equidade, Inclusão e Sentimento de Pertença – começa a surgir crescentemente em contexto de trabalho, especialmente no que à responsabilidade corporativa diz respeito.De forma a fomentar estes valores na cultura das empresas, os líderes devem considerar inseri-los na sua missão e valores, para que as mensagens-chave sejam consistentes e congruentes com aquilo que se pretende no ambiente da empresa.

Além disso, as políticas de DEIB devem fazer referência às responsabilidades da empresa e dos seus colaboradores, delineando as consequências para quem não as respeita. O desenvolvimento regular de formações sobre o tema da diversidade e inclusão, e quais as políticas da empresa, ajudará a que este posicionamento fique enraizado na organização.

3. Criar uma cultura de inclusão conscienteO local de trabalho deve ser um sítio onde os colaboradores se sentem acolhidos, respeitados e valorizados, independentemente das suas origens ou orientações. Uma empresa que reconheça a importância de fomentar uma cultura inclusiva e diversa saberá que pessoas com diferentes backgrounds conseguem trazer experiências e partilhas mais ricas, adicionando valor à organização e aumentando a sua vantagem competitiva no mercado.
Para criar uma cultura de inclusão consciente, as empresas devem ir além de programas e dinamizar medidas proactivas, promovendo pessoas com características diversas a posições de gestão ou liderança e apostando na formação sobre a importância da diversidade e inclusão.
4. Assegurar uma rede de apoio LGBTQI+As políticas pró-LGBTQI+ devem ter o potencial de serem visíveis externamente, para que, quem procure um local inclusivo e diverso, saiba que pode encontrar naquela empresa uma possível escolha.Assim, é importante assegurar o apoio aos colaboradores LGBTQI+ para criação dos seus grupos e oferecer as mesmas oportunidades para actividades extracurriculares que seriam proporcionadas a qualquer outro grupo.
Ao mesmo tempo, o desenvolvimento de parcerias com grupos locais LGBTQI+, tais como centros comunitários ou grupos de apoio, demonstram um compromisso a longo prazo com estes colaboradores, contribuindo também para uma melhor compreensão dos desafios que enfrentam.
5. Medir o progresso da cultura inclusivaFinalmente, é essencial fazer um acompanhamento qualitativo e quantitativo de outputs, de forma a ser possível avaliar o sucesso das políticas e programas de diversidade e inclusão. Desta forma, as lideranças devem receber informação regular sobre o progresso na implementação de políticas DEIB, incluindo informação sobre a experiência no local de trabalho das pessoas diversas e o seu nível de compromisso.


Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

*