Como incentivar a produtividade e o compromisso dos colaboradores?

«A globalidade dos estudos mostra uma correlação directa entre a produtividade dos colaboradores e o compromisso assumido com o trabalho desempenhado.» Há quatro aspectos, simples, que vão ajudar a aumentar a motivação dos colaboradores.

Por José Oliveira, CEO da BI4ALL

 

O panorama do mundo dos negócios, e do mundo em geral, está em constante evolução e mutação. Várias são as empresas que são, constantemente, confrontadas com ainda mais mudança do que aquela com que conseguem lidar – e para se manterem na vanguarda e serem competitivas, têm de crescer de forma rápida e sustentada, o que, muitas vezes, significa fazer mais com menos recursos.

É do conhecimento comum que os colaboradores são o activo mais importante de uma empresa. Mas, na realidade, isso apenas é verdade quando a maioria da força laboral está totalmente comprometida com o seu trabalho.

Neste âmbito, a globalidade dos estudos mostra uma correlação directa entre a produtividade dos colaboradores e o compromisso assumido com o trabalho desempenhado. Este facto pode parecer óbvio, mas, muitos gestores têm dificuldade em definir, medir e melhorar o compromisso nas suas equipas. Trabalhadores completamente comprometidos com o seu trabalho estão dispostos a ir mais longe, a trabalhar com paixão e a desenvolver uma conexão profunda com a entidade empregadora. E são estas as pessoas que acabam por liderar a inovação e impulsionar todo o negócio para que cresça e se desenvolva.

Existem assim algumas medidas que podem ser tidas em consideração e implementadas na organização para que o compromisso e a produtividade aumentem, nomeadamente:

 – Cultura empresarial
É extremamente relevante dar a conhecer aos colaboradores, desde o dia do seu acolhimento, a cultura empresarial da empresa. Pontos fundamentais como a missão, os valores e a visão têm de ser partilhados. Outro ponto fundamental que deverá ser partilhado, e que vai ao encontro do que as pessoas procuram numa empresa, são os objectivos de negócio e a situação actual da empresa.

 

– Investir nos colaboradores
Uma cultura empresarial baseada no crescimento contínuo, com objectivos claros em ajudar os colaboradores a desenvolver novas competências, estimula-os a serem mais produtivos e colaborativos. Qualquer actividade que melhor o bem-estar dos colaboradores, quer seja a nível profissional (cursos, workshops, formações) ou a nível pessoal (coaching, encontros com colaboradores, lembranças em dias festivos) será vista com bons olhos. Para além disso, a organização de, por exemplo, team buildings, festa de Natal, e tantos outros momentos comemorativos, são fundamentais para que os colaboradores se sintam integrados.

 

– Aperfeiçoar o espaço para feedback
É importante que a discussão produtiva seja cultivada no dia-a-dia e não apenas no final ou a meio do ano. A força laboral actual necessita de feedback regular para uma correcção mais automática e colaboradores que se sentem ouvidos ficam mais comprometidos com o trabalho que desenvolvem. Se houver transparência por parte dos gestores acerca de quais as expectativas de cada equipa e colaborador, pode haver uma maior abertura para discutir soluções, e como retorno levará a uma maior conexão com a empresa.

 

– Melhorias no espaço laboral
Esta é uma era que realmente valoriza a experiência do colaborador, garantindo que o ambiente de trabalho seja um local onde os mesmos se sintam bem. Neste âmbito, a criação de um espaço de trabalho de qualidade e flexível, leva a uma atmosfera com melhor energia, onde os colaboradores se sentem confortáveis e são mais produtivos.

 

Apesar de serem princípios, à primeira vista, simples, são decisivos na redução de turnover e aumento de empenho dos colaboradores das empresas. Organizações que entendam estes conceitos terão maior retorno financeiro, destacar-se-ão da concorrência e tornar-se-ão locais que prezam um bom ambiente de trabalho o que, consequentemente, aumentará a produtividade geral.

 

Ler Mais
Comentários
A carregar...

MULTIPUBLICAÇÕES

[vc_multibar_post nc_mp_bar_revive=”JTBBJTNDc2NyaXB0JTIwdHlwZSUzRCUyN3RleHQlMkZqYXZhc2NyaXB0JTI3JTNFJTNDJTIxLS0lMkYlMkYlM0MlMjElNUJDREFUQSU1QiUwQSUyMCUyMCUyMHZhciUyMG0zX3UlMjAlM0QlMjAlMjhsb2NhdGlvbi5wcm90b2NvbCUzRCUzRCUyN2h0dHBzJTNBJTI3JTNGJTI3aHR0cHMlM0ElMkYlMkZtdWx0aXB1YmxpY2Fjb2VzLWFkcy5jb20lMkZ3d3clMkZkZWxpdmVyeSUyRmFqcy5waHAlMjclM0ElMjdodHRwJTNBJTJGJTJGbXVsdGlwdWJsaWNhY29lcy1hZHMuY29tJTJGd3d3JTJGZGVsaXZlcnklMkZhanMucGhwJTI3JTI5JTNCJTBBJTIwJTIwJTIwdmFyJTIwbTNfciUyMCUzRCUyME1hdGguZmxvb3IlMjhNYXRoLnJhbmRvbSUyOCUyOSUyQTk5OTk5OTk5OTk5JTI5JTNCJTBBJTIwJTIwJTIwaWYlMjAlMjglMjFkb2N1bWVudC5NQVhfdXNlZCUyOSUyMGRvY3VtZW50Lk1BWF91c2VkJTIwJTNEJTIwJTI3JTJDJTI3JTNCJTBBJTIwJTIwJTIwZG9jdW1lbnQud3JpdGUlMjAlMjglMjIlM0NzY3IlMjIlMkIlMjJpcHQlMjB0eXBlJTNEJTI3dGV4dCUyRmphdmFzY3JpcHQlMjclMjBzcmMlM0QlMjclMjIlMkJtM191JTI5JTNCJTBBJTIwJTIwJTIwZG9jdW1lbnQud3JpdGUlMjAlMjglMjIlM0Z6b25laWQlM0QxMDIlMjIlMjklM0IlMEElMjAlMjAlMjBkb2N1bWVudC53cml0ZSUyMCUyOCUyNyUyNmFtcCUzQmNiJTNEJTI3JTIwJTJCJTIwbTNfciUyOSUzQiUwQSUyMCUyMCUyMGlmJTIwJTI4ZG9jdW1lbnQuTUFYX3VzZWQlMjAlMjElM0QlMjAlMjclMkMlMjclMjklMjBkb2N1bWVudC53cml0ZSUyMCUyOCUyMiUyNmFtcCUzQmV4Y2x1ZGUlM0QlMjIlMjAlMkIlMjBkb2N1bWVudC5NQVhfdXNlZCUyOSUzQiUwQSUyMCUyMCUyMGRvY3VtZW50LndyaXRlJTIwJTI4ZG9jdW1lbnQuY2hhcnNldCUyMCUzRiUyMCUyNyUyNmFtcCUzQmNoYXJzZXQlM0QlMjclMkJkb2N1bWVudC5jaGFyc2V0JTIwJTNBJTIwJTI4ZG9jdW1lbnQuY2hhcmFjdGVyU2V0JTIwJTNGJTIwJTI3JTI2YW1wJTNCY2hhcnNldCUzRCUyNyUyQmRvY3VtZW50LmNoYXJhY3RlclNldCUyMCUzQSUyMCUyNyUyNyUyOSUyOSUzQiUwQSUyMCUyMCUyMGRvY3VtZW50LndyaXRlJTIwJTI4JTIyJTI2YW1wJTNCbG9jJTNEJTIyJTIwJTJCJTIwZXNjYXBlJTI4d2luZG93LmxvY2F0aW9uJTI5JTI5JTNCJTBBJTIwJTIwJTIwaWYlMjAlMjhkb2N1bWVudC5yZWZlcnJlciUyOSUyMGRvY3VtZW50LndyaXRlJTIwJTI4JTIyJTI2YW1wJTNCcmVmZXJlciUzRCUyMiUyMCUyQiUyMGVzY2FwZSUyOGRvY3VtZW50LnJlZmVycmVyJTI5JTI5JTNCJTBBJTIwJTIwJTIwaWYlMjAlMjhkb2N1bWVudC5jb250ZXh0JTI5JTIwZG9jdW1lbnQud3JpdGUlMjAlMjglMjIlMjZjb250ZXh0JTNEJTIyJTIwJTJCJTIwZXNjYXBlJTI4ZG9jdW1lbnQuY29udGV4dCUyOSUyOSUzQiUwQSUyMCUyMCUyMGlmJTIwJTI4ZG9jdW1lbnQubW1tX2ZvJTI5JTIwZG9jdW1lbnQud3JpdGUlMjAlMjglMjIlMjZhbXAlM0JtbW1fZm8lM0QxJTIyJTI5JTNCJTBBJTIwJTIwJTIwZG9jdW1lbnQud3JpdGUlMjAlMjglMjIlMjclM0UlM0MlNUMlMkZzY3IlMjIlMkIlMjJpcHQlM0UlMjIlMjklM0IlMEElMkYlMkYlNUQlNUQlM0UtLSUzRSUzQyUyRnNjcmlwdCUzRSUzQ25vc2NyaXB0JTNFJTNDYSUyMGhyZWYlM0QlMjdodHRwJTNBJTJGJTJGbXVsdGlwdWJsaWNhY29lcy1hZHMuY29tJTJGd3d3JTJGZGVsaXZlcnklMkZjay5waHAlM0ZuJTNEYTgzYzMyNTUlMjZhbXAlM0JjYiUzRElOU0VSVF9SQU5ET01fTlVNQkVSX0hFUkUlMjclMjB0YXJnZXQlM0QlMjdfYmxhbmslMjclM0UlM0NpbWclMjBzcmMlM0QlMjdodHRwJTNBJTJGJTJGbXVsdGlwdWJsaWNhY29lcy1hZHMuY29tJTJGd3d3JTJGZGVsaXZlcnklMkZhdncucGhwJTNGem9uZWlkJTNEMTAyJTI2YW1wJTNCY2IlM0RJTlNFUlRfUkFORE9NX05VTUJFUl9IRVJFJTI2YW1wJTNCbiUzRGE4M2MzMjU1JTI3JTIwYm9yZGVyJTNEJTI3MCUyNyUyMGFsdCUzRCUyNyUyNyUyMCUyRiUzRSUzQyUyRmElM0UlM0MlMkZub3NjcmlwdCUzRSUwQQ==”]