PRR: Aprovados 110 milhões de euros para áreas de acolhimento empresarial de nova geração

As zonas industriais e áreas empresariais de 10 municípios do país vão beneficiar de um investimento de 110 milhões de euros, montante aprovado ao abrigo de candidaturas ao Programa de Recuperação e Resiliência (PRR), foi hoje anunciado.

Em comunicado, o Ministério da Coesão Territorial adianta que as 10 candidaturas seleccionadas no âmbito do aviso dirigido a áreas de acolhimento empresarial de nova geração se referem aos municípios de Chaves, Melgaço, Vila Real, Águeda, Guarda, Oliveira do Hospital, Rio Maior, Campo Maior, Beja e Lagos.

Com este investimento, aqueles municípios «vão modernizar zonas industriais e áreas empresariais já existentes nos seus territórios, para as preparar para as transições verde e digital e garantir uma melhoria da competitividade das empresas aí instaladas», lê-se na nota.

«Com esta decisão, mais de 73 milhões (66%) são dirigidos a territórios do interior e praticamente 37 milhões são destinados ao litoral», precisa a nota, especificando que as maiores fatias dos apoios máximos a conceder se destinam ao Centro (32,1 milhões de euros) e ao Norte (30,9 milhões).

Seguem-se as regiões do Alentejo, que pode beneficiar de um apoio máximo de 30,1 milhões de euros, de Lisboa e Vale do Tejo, com 12,8 milhões de euros e, por fim, do Algarve, com 4,1 milhões de euros, acrescenta o Ministério da Coesão Territorial.

«Estes fundos podem apoiar investimentos na auto produção e armazenamento de energia renovável, ilhas de qualidade energética A+, soluções de carregamento de viaturas elétricas e abastecimento a hidrogénio, cobertura de Banda Larga Rápida (5G) em áreas do interior com comprovada falha de mercado ou soluções de resiliência activa a incêndios, consoante as características das AAE [Áreas de Acolhimento Empresarial]», acrescenta.

As 10 candidaturas, selecionadas pelas Comissões de Coordenação e Desenvolvimento Regional (CCDR) Norte, Centro, Lisboa e Vale do Tejo, Alentejo e Algarve, foram avaliadas, entre outros aspectos, tendo em conta «o número de empresas instaladas e o número de postos de trabalho» em cada área.

Por outro lado, foi analisado «quantos desses negócios estão associados a cadeias de logística e de que forma se articula o trabalho dessas empresas com o Sistema Regional de Inovação em questão», prossegue a nota.

A medida dá continuidade aos investimentos dos Programas Operacionais Regionais no âmbito do Portugal 2020 – de apoio a novas áreas e requalificação das já existentes -, e será ainda complementada com apoios no âmbito do Portugal 2030.

Ler Mais
pub


Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

*