Sente que sofre de stress crónico? Saiba aqui o quanto isso está prejudicar o seu corpo

Todos os seres vivos sobrevivem mobilizando recursos nos seus corpos para lidar com ameaças e reabastecê-los quando se sentem seguras.

No entanto, a exposição prolongada a ameaças causa uma mudança no perfil químico que destrói o corpo, causando doenças mentais e físicas.

É importante compreender a natureza das ameaças, as várias formas sob as quais se apresentam e a composição da neuroquímica do corpo. O corpo recolhe uma grande quantidade de dados oriundos de vários sensores que são transmitidos ao sistema nervoso que os vai traduzir em acção. A reação causa mudanças na fisiologia, estimula acções físicas e cria os  comportamentos adequados à situação.

Fisiologia é o termo que descreve a forma como o corpo funciona. Permanecemos vivos porque mantemos um equilíbrio incrivelmente delicado entre inúmeros factores. É um processo dinâmico que muda a cada segundo dando resposta às informações oriundas do ambiente.

As mudanças fisiológicas causam sensações a que chamamos de emoções. Mas emoções são apenas palavras que descrevem o que se sente quando o corpo está em acção. O estado fisiológico de cada pessoa afecta todos os sistemas orgânicos e traduz-se em sintomas.

Qualquer ameaça mental ou física, percebida ou real, terá uma resposta defensiva por parte do corpo. Muito dessa resposta é mediada pelo sistema nervoso autónomo, assim chamado porque todos os efeitos são automáticos em resposta à entrada. O aspecto estimulação / sobrevivência é a função do sistema nervoso simpático e a parte calmante é mediada pelo sistema nervoso parassimpático. O nervo vago é o principal nervo que transmite esses sinais, este é o décimo nervo craniano com  origem no mesencéfalo, logo abaixo do cérebro.

A essência da doença é a ameaça contínua, e a solução está em conectar-se ao sentido de segurança usando estratégias específicas.

A descoberta e o reconhecimento de todas as ameaças – sejam elas reais, imaginárias, antecipadas ou reprimidas – é o primeiro passo para as enfrentar. A segunda é escolher uma fuga adaptativa em vez de uma fuga desadaptativa para um local seguro, seja a ameaça física ou espiritual.

Se você tem a opção de resolver uma situação desagradável, essa é claramente a primeira escolha. Mas o stress que tem maior impacto na saúde são os que não têm solução. Estar preso por qualquer coisa ou pessoa aumenta as defesas. Mas, uma vez que se não pode escapar o que pode fazer?

Criar segurança é uma habilidade aprendida e cada pessoa terá uma sequência específica com base na sua tolerância. A raiva de estar preso à dor é intensa e desagradável, mas também poderosa e protetora. A antítese da raiva é a vulnerabilidade, que as criaturas vivas não estão naturalmente programadas para permitir.

Construa uma base e aprenda a sentir segurança. Prossiga ao seu próprio ritmo para fugir da vulnerabilidade e sentir-se mais seguro. Com o tempo vai aprender a confiar nas suas capacidades e descobrirá maneiras de encontrar segurança, independentemente das circunstâncias. Nessa altura consegue recuperou o controle da sua vida.

A essência do stress crónica é a exposição contínua a ameaças. A solução está em aprender maneiras de encontrar segurança. Embora não possa controlar os seus pensamentos e a maioria de suas tensões externas, você controla as mudanças na fisiologia do seu corpo. São ferramentas simples que se tornam automáticas com a repetição. Adquirir essas capacidades permitirá que viva a sua vida e se sinta seguro.

Ler Mais
pub


Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

*