O que as empresas querem e o que as universidades entregam!

Ricardo Florêncio

Director da Revista HR Portugal

Editorial publicado na edição de Junho de 2012 da revista HR Portugal

Hoje em dia, o que as empresas mais procuram são características e qualidades muito para além das competências técnicas de cada um dos cursos – embora comece logo por ter grandes dúvidas que três anos sejam suficientes para transmitir as bases técnicas que vão servir de alicerce a uma carreira profissional.

Mas o gap é ainda muito maior nas outras características, mais pessoais que, e enfim, separam e distinguem os candidatos e colaboradores uns dos outros.

Ter uma atitude positiva, motivada, ser um bom comunicador e com um bom marketing pessoal, demonstrar bons índices de confiança, apresentar casos em que soube lidar bem com a crítica, revelar como é um trabalhador de equipa, que tem uma grande capacidade de se adaptar às mudanças, compõem as variáveis que são muito importantes na escolha de candidatos.

A capacidade de argumentação, a capacidade de se adaptar a uma resposta negativa, a relação empática perante o seu interlocutor, a facilidade de criar contactos e relações, são actualmente factores críticos de sucesso das pessoas.

Contudo, as nossas universidades não se têm adequado a estas alterações, colocando todo o seu ênfase nas componentes técnicas. E deste modo assistimos a um fosso entre o que as empresas e as organizações necessitam e o que são as competências e conhecimentos dos nossos jovens trabalhadores.

São poucas as instituições que se preocupam com estas soft skills. Algumas já começam a dar os primeiros passos nesse sentido, o que é de aplaudir. Mas deveria ser uma obrigatoriedade de todas.

Ler Mais
Artigos relacionados
Comentários
A carregar...

MULTIPUBLICAÇÕES

Marketeer
Guerra do streaming: consumidores dão oportunidade aos novos players
Automonitor
Chevy Suburban: O primeiro carro com uma estrela em Hollywood