AESE: Desafios crescentes

Desde 1980 a AESE Business School apresenta programas de formação de executivos de reconhecida eficácia para fazer frente aos desafios que as empresas têm vindo a enfrentar nos últimos 40 anos.

 

A proposta de valor da AESE Business School assenta no desenvolvimento de competências para uma tomada de decisão eficaz e prudente, tendo em vista o crescimento e a sustentabilidade da empresa no longo prazo. Catarina Heleno, Executive Education Manager da AESE, explicou à Human Resources Portugal a aposta na formação de executivos.

Qual a proposta da AESE em termos de formação de executivos?

Na AESE acompanhamos a trajectória profissional de dirigentes e executivos, atendendo às várias fases da sua vida: desde a formação de Líderes que marcam o mundo – com o Executive MBA AESE –, a empresários ou gestores de topo, cujas prioridades assentam na estratégia e governance – com o Programa de Alta Direcção de Empresas –, à de directores de primeira linha com reporte à direcção-geral – com o Programa de Direcção de Empresas –, passando por gestores ou especialistas funcionais com grande mobilidade – com o General Management Program –, e ainda à de jovens dirigentes com elevado potencial – com o Programa de Gestão e Liderança.

Além disso, a AESE apresenta programas de Formação de Executivos direccionados para sectores de actividade específicos, como a área da Saúde (Programa de Alta Direcção de Instituições de Saúde), Agroindústria (Direcção de Empresas Agrícolas e Agroindustriais), Energia (Advanced Management in Energy) e sector social (Gestão das Organizações Sociais). Em qualquer dos programas o investimento, feito a título individual ou com patrocínio da empresa, é visto como um treino intensivo de tomada de decisões estratégicas com o Método do Caso, utilizado à semelhança da Harvard Business School, e sublinhando a importância da gestão de equipas de trabalho.

Como está a evoluir a procura deste tipo de formação?

A procura de Formação de Executivos tem crescido nos últimos anos, fruto da consciencialização da importância do desenvolvimento permanente de competências técnicas e de soft skills fundamentais para que os decisores mostrem maior robustez na tomada de decisões empreendidas. Essa procura provém tanto das empresas como dos dirigentes.

Desde a sua fundação, em 1980, a AESE prepara os executivos para uma visão de Alta Direcção, ou seja, uma visão orgânica e interdisciplinar dentro de cada instituição, que permite o alinhamento com os objectivos e a visão corporativa.

A formação pode ter uma natureza de gestão transversal aos vários sectores de actividade ou, em casos particulares como o da Saúde, da Agroindústria, da Energia e da Economia Social, uma incidência maior nos temas que fazem parte da agenda dos dirigentes e executivos que operam nessas áreas.

Em qualquer dos programas de for- mação de executivos da AESE, o contraste e a partilha de informação com os pares, que apresentam o mesmo grau de responsabilidade ainda que em empresas e instituições distintas, comprovam ser uma valia reconhecida muito rica, sobretudo na resolução de problemas de uma forma criativa e inovadora.

Quais os maiores desafios do mercado de formação nos dias que correm?

Os maiores desafios que a AESE encontra na formação de Executivos prendem- -se com a permanente volatilidade, rapidez e incerteza dos mercados, o que obriga a um diálogo constante: com o tecido empresarial, de modo a conhecer profundamente a sua agenda; e com as business schools internacionais, a fim de produzir, optimizar e aceder ao conhecimento e às ferramentas que melhor servem os líderes das organizações.

Desde a sua fundação a AESE mantém uma relação estreita com o IESE Business School que ocupa o primeiro lugar no ranking do Financial Times em Formação de Executivos, pelo quinto ano consecutivo. A proximidade com a rede de 20 escolas associadas do IESE e com o tecido empresarial são uma fonte inesgotável de informação que permite manter o rumo na proposta de valor que continuamente apresentamos.

O feedback constante dos nossos mais de 6500 alumni também nos permite uma actualização periódica dos conteúdos e metodologias de aprendizagem. Estamos sempre empenhados em melhorar a qualidade da formação de forma a proporcionar uma aprendizagem de excelência.

Quais as metodologias de ensino em que se foca a AESE?

A AESE, através do Método do Caso, consegue uma ligação com a realidade e uma abordagem aos problemas das instituições muito objectiva e pragmática. A utilização de casos reais que retratam situações dilemáticas que os participantes encontram no seu dia-a-dia profissional são um terreno privilegiado de autodiagnóstico e de abertura a novas metodologias e soluções. O recurso a jogos e simuladores é igualmente uma via complementar de avaliação do impacto e de análise de risco das decisões tomadas. A AESE encontra-se atenta à nova tendência na Formação de
Executivos com um formato “blended”, trazendo a componente digital para a experiência de aprendizagem.

O binómio professor-aluno é hoje muito diferente do que era há alguns anos, mas continua a transformar-se. O que mudou e de que forma ainda vai evoluir no futuro?

O binómio professor-aluno sempre foi muito diferente na AESE Business School, na medida em que já em 1980, os participantes eram empresários e dirigentes com mais de dez anos de experiência de direcção geral e administração de empresas. A sua disponibilidade para sistematizar o know how já apreendido pelo percurso pessoal, os conhecimentos adquiridos com os professores e potenciados pela troca de experiências com os colegas sempre foram factores diferenciadores da AESE. A transformação que se verifica hoje é a crescente exigência por parte dos participantes e do próprio mercado, que reclama dos dirigentes e executivos respostas cada vez mais céleres e flexíveis com margens de risco menores, nos mercados nacional e internacional.

Existem hoje muitas empresas que criam as suas próprias academias para formar as suas pessoas. Como vêem esta realidade? A oferta disponível não dá resposta a estas necessidades?

A AESE Business School tem assistido à criação de academias corporativas e mantém-se como parceira de formação sempre que os desafios extravasam o universo da empresa e é necessário acrescentar valor com o que melhor se faz do ponto de vista académico e empresarial, noutros mercados e noutros sectores de actividade.

Como asseguram que a vossa formação dá, de facto, resposta às necessidades do mercado?

A AESE assegura que a sua resposta formativa colmata as lacunas existentes pela proximidade que mantém, desde sempre, com o ambiente corporativo. Para além da carreira académica, os professores têm uma ligação de profundo conhecimento com as empresas, facto que resulta num forte contributo para identificarem as necessidades do mercado e prepararem os participantes para os desafios que enfrentam diariamente. Só conhecendo muito bem as necessidades que os líderes sentem no seu dia-a-dia é possível encontrar as ferramentas e desenvolver as competências essenciais a um exercício da responsabilidade do dirigente, com o rigor e a excelência que preconizamos.

De que forma a oferta da AESE se diferencia das demais?

A relação com o mundo empresarial e a rede de escolas internacionais de referência são dois dos factores distintivos que posicionam a AESE Business School num patamar de liderança. A rede de contactos entre os dirigentes e executivos é outra mais-valia que em muito contribui para que a aprendizagem e os negócios aconteçam de forma natural, num contexto colaborativo, que fortifica o espírito empreendedor. O Método do Caso é outra vantagem competitiva da AESE, pois é um processo vivo e interactivo de aprendizagem, descoberta e partilha, que permite a cada participante desenvolver as competências analíticas, favorecendo a decisão prudente.

Neste sentido, a AESE desenvolve a sua actividade com a missão de inspirar líderes empresariais que se esforçam por causar um impacto profundo, positivo e duradouro nas pessoas, nas empresas e na sociedade que servem.

Qual a importância dos programas customizados para as empresas?

Tal como a formação de executivos, os programas In Company têm tido uma procura crescente. Note-se que nos  programas customizados as empresas apostam no aperfeiçoamento de competências diagnosticadas como necessidades específicas entre o grupo de co- laboradores. Nessas situações, a AESE, em diálogo com a empresa, apresenta uma resposta que aporta vantagens em termos de custo/benefício. Estes programas podem ser muito úteis, por exemplo, para alinhar os colaboradores com a cultura da empresa ou para ganhar coesão após um processo de fusão e transformação.

Quais os temas mais comuns destes programas customizados?

Alguns dos temas mais recorrentes e aos quais a AESE tem conseguido dar resposta são Digital Leadership, Customer Experience, Customer Strategic Management in Banking e Gestão da eficácia pessoal e da equipa.

Os objectivos delineados para 2019 estão a ser atingidos?

O ano de 2019 está a correr francamente bem. Os objectivos delineados estão
a ser atingidos, se não superados, facto que nos deixa muito optimistas e foca- dos em apresentar soluções formativas o mais ajustadas possível às necessidades dos dirigentes e dos executivos dos sectores de actividade que contribuem para a competitividade nacional e para um crescimento sustentado da economia portuguesa.

 

Este artigo foi publicado na edição de Junho da Human Resources, no Caderno Especial sobre Formação.

Ler Mais
Artigos relacionados

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

*

MULTIPUBLICAÇÕES

Marketeer
Lego lança minissérie no YouTube
Automonitor
Portugal a caminho de bater recorde de produção anual