Customização: palavra de ordem em Gestão de Pessoas?

Por António Saraiva, Business Development Manager na ISQ Academy

 

A Língua Portuguesa é rica em palavras. Algumas delas passam-nos, na maioria das vezes, ao lado. Mas de repente, surgem como a palavra do momento. E customização aparece agora insistentemente no nosso léxico. Muito particularmente em Gestão de Pessoas.

Se o último ano e meio foi um laboratório de adaptações, o futuro afigura-se de preocupações de… customização! A sua origem, inglesa, revela que vai mais longe do que uma simples adaptação, significa personalizar.

A verdade é que os processos e procedimentos organizacionais sempre correram uma linha de maior abrangência, acreditando-se que seria dessa forma garantida uma maior equidade e justiça para todos. O que se verificou, e verifica, é que quer a perceção, quer os impactos recentes, não foram absorvidos e sentidos da mesma maneira por todos.

Se corrermos um conjunto de informações e estudos recentes verificamos, alguns deles veiculados pelos media, que existem alguns números preocupantes. Desde os ajustamentos de quadros nas organizações, nas implicações expressas pela dificuldade de sobrevivência de outras, assim como no quadro clínico mental de muitas pessoas.

A desaceleração da pandemia que poderia potenciar um quadro de caraterísticas mais positivas, encontra-se ensombrado pelas perspetivas de futuro. E as organizações tendem a estar ainda a procurar um rumo: o que acontece se as Pessoas regressarem todas ao seu local de trabalho? E se não regressarem, como vamos gerir as equipas e a produtividade? E perante um clima de ainda incerteza que desafios se vão colocar? E quem vai estar motivado? E quem não está motivado?

E as questão, à partida, é simples: há quem queira regressar e quem não queira. Mas isto é ser muito simplista. O que está em causa é o que cada Pessoa considera que é o seu bem-estar, os seus ganhos entre a sua profissional e pessoal e a forma como se considera mais produtiva. E é aqui que reside o núcleo de análise da tal customização, personalização. E um grande desafio para a Gestão de Pessoas.

E personalizar não é uma base para gerar assimetrias ou injustiças. Antes pelo contrário. É acima de tudo encontrar soluções válidas para a saúde organizacional, gerando um clima positivo e produtivo. Mais que nunca no fundo, é a Organização conhecer o perfil das suas Pessoas, identificar as suas necessidades e expetativas e construir respostas consentâneas. Há uma dificuldade: celeridade do diagnóstico e fluidez de implementação.

É a oportunidade de cada organização conhecer melhor as suas pessoas e ter uma política de envolvimento mais eficiente. Garantir melhores condições de ambiente de trabalho, um maior equilíbrio da vida profissional com a pessoal, uma customização efetiva da respetiva política de compensação e benefícios é a via de maior satisfação e produtividade.

Customizar, personalizar é responder às exigências de um trabalho que carateriza uma nova realidade. Não se torna importante se se determina o horário X ou Y, importante é a decisão sobre a flexibilidade necessária à continuidade do negócio. Da mesma forma, importante é compensar e oferecer benefícios que reconheçam o contributo de cada um para o sucesso organizacional.

Ler Mais
pub


Comentários
A carregar...