Os prós e contras dos benefícios flexíveis

O que são benefícios flexíveis e como podem ajudar-vos a atrair e reter os melhores talentos. Mas também há o reverso da medalha.

As pequenas empresas devem oferecer pacotes competitivos de benefícios aos colaboradores, não só para atrair e reter os melhores talentos, mas também para melhorar a cultura da empresa e aumentar a produtividade. No entanto, com cinco gerações no local de trabalho, os melhores benefícios para cada colaborador podem variar muito. Assim, oferecer um pacote flexível de benefícios, personalizável de acordo com o que cada profissional mas valoriza, é a melhor forma de assegurar que os colaboradores estão a receber os benefícios que são mais importantes para eles. Não obstante, traz maiores desafios ao nível de tempo, recursos, comunicação e custo.

 

O que são benefícios flexíveis?
Os benefícios dos colaboradores, também conhecidos como benefícios marginais, são a compensação que um colaborador recebe fora do salário normal. Quando uma empresa oferece planos de benefícios flexíveis, fornece um conjunto de benefícios que cada colaborador pode escolher (por exemplo, seguro de saúde, planos de reforma, reembolsos) para criar um plano personalizado de benefícios que se adapte ao seu estilo de vida e preferências de cada colaborador. Os benefícios flexíveis tornaram-se populares, para empregadores e colaboradores.

Embora os benefícios flexíveis possam assumir muitas formas, Carla Yudhishthu, vice-presidente de Operações de Pessoas da ThinkHR e da Mammoth HR, afirma que geralmente dizem respeito às necessidades dos colaboradores associadas ao trabalho, à vida doméstica e ao planeamento para o futuro. E dá exemplos de vários:

 

Benefícios operacionais (trabalho)
– Planeamento de carreira (por exemplo, licenças sabáticas ou ausências pessoais);
– Benefícios de transporte (por exemplo, reembolso total de despesas de estacionamento ou de trânsito);
– Cobertura de despesas para trabalho remoto (por exemplo, Wi-Fi, telemóvel ou despesas extra);
– Horário flexível (por exemplo, horário flexível, semanas de trabalho comprimido, flexibilidade de turnos ou trabalho partilhado);
– Voluntariado pago;
– Desenvolvimento profissional (por exemplo, aulas ou formação para obter ou manter credenciais profissionais);
– Opções de teletrabalho (como trabalhar a partir de casa ou por videoconferência);
– Benefícios de tempo livre (por exemplo, dias pessoais, feriados móveis ou aquisição de dias de férias).

 

Benefícios para a saúde e o bem-estar (vida doméstica)
– Programas de assistência aos colaboradores (por exemplo, aconselhamento confidencial, conteúdo de auto-ajuda e desenvolvimento, referências);

– Alinhamento com o empregador nas doações filantrópicas;

– Despesas flexíveis (reembolso isento de impostos para despesas de saúde ou de cuidados de dependentes);

– Cobertura de saúde (benefícios médicos, dentários e visuais), com planos tradicionais e alta capacidade de dedução;

– Acordos de reembolso médico, pago pelo empregador e isento de impostos para os colaboradores;

– Protecção dos rendimentos (por exemplo, seguro de invalidez de curto e longo prazo);

– Seguro de vida e de acidentes com escolha dos montantes de cobertura;

– Aulas e reembolso de empréstimo estudantil;

– Opções de seguro voluntário (como apólices individuais para doenças específicas, acidentes ou cuidados de longa duração);

– Programas de bem-estar (por exemplo, promoções e incentivos de saúde).

Benefícios de reforma e poupança (planeamento futuro)
– Plano Poupança Reforma (poupança sem impostos para a reforma);
– Conta poupança para a saúde (poupança isenta de impostos para despesas de saúde actuais ou futuras).

 

Os prós
Os benefícios flexíveis são populares entre empregadores e colaboradores por várias razões. No entanto, os benefícios principais dizem respeito ao recrutamento e retenção de talento, à flexibilidade dos colaboradores e à confiança dos empregadores.

1. Aumenta o recrutamento e a retenção de talento. É essencial que as pequenas empresas ofereçam pacotes completos de benefícios se querem manter-se competitivas perante outros empregadores dentro do seu sector. Os colaboradores dão grande importância aos benefícios e, para alguns, os pacotes de benefícios podem ser o factor decisivo entre dois empregos. Se uma empresa quer atrair e reter os melhores talentos, deve compensá-los em conformidade. Num estudo recente da MetLife, 72% dos colaboradores disseram que ter benefícios personalizados aumenta a sua lealdade para com o seu empregador.

2. Proporciona aos colaboradores controlo sobre os seus benefícios. Cada colaborador é único, e os benefícios devem reflectir isso. Um colaborador mais velho e pouco saudável com uma família numerosa vai querer benefícios diferentes dos de um colaborador jovem, saudável e solteiro, com créditos universitários para pagar. Os planos de benefícios flexíveis permitem aos colaboradores escolher apenas os benefícios que lhes são relevantes.

3. Elimina ter de adivinhar a escolha dos benefícios dos colaboradores. Os colaboradores sabem que tipo de benefícios lhes convêm. Quando uma empresa oferece um plano de benefícios flexível, não tem de tentar criar um plano que agrade a todos. Em vez disso, pode deixar as escolhas para os colaboradores e ter a certeza de que estes estão a receber os benefícios certos para acomodar a sua saúde, orçamentos, e felicidade pessoal e profissional.

 

E os contras
Tal como existem várias vantagens em oferecer planos de benefícios flexíveis, existem algumas desvantagens a ter em conta. Os principais inconvenientes dizem respeito a tempo, recursos, comunicação e custo.

1. Exige tempo e recursos administrativos. Quando uma organização oferece benefícios aos colaboradores, deve certificar-se continuamente de que cada um cumpre as actuais leis e regulamentos nacionais e locais. Quanto mais flexíveis forem os benefícios, mais tempo e recursos serão necessários para os manter e assegurar que estão em conformidade com as várias leis sobre benefícios e impostos.

2. Exige uma comunicação excepcional. A comunicação é uma parte crucial do êxito da implementação de um programa de benefícios flexíveis. Uma vez que os benefícios flexíveis e as contribuições dos colaboradores podem muitas vezes ser modificados, é importante que o departamento de Recursos Humanos tenha uma linha aberta de comunicação com os colaboradores, ou uma plataforma de fácil acesso que estes possam usar para modificar os seus benefícios, até para assegurar a conformidade com a dedução da folha de pagamento, leis e regulamentos. Sempre que há alterações, estas devem ser comunicadas.

3. Pode ser dispendioso. A oferta de benefícios flexíveis pode tornar-se cara. A criação de um plano flexível consome tempo (e tempo é dinheiro), mas além disso também poderá ter de se adquirir nova tecnologia para implementar e manter o plano.

 

Fonte: Business.com, por Skye Schooley

Ler Mais
pub


Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

*