Salário emocional: Como oferecer bem-estar aos colaboradores

As empresas podem oferecer muito mais do que um salário monetário aos seus trabalhadores. Temas como employee experience estão cada vez mais em voga e mostram a importância de proporcionar um ambiente de trabalho em que os colaboradores se sintam à vontade, valorizados e motivados, seja na rotina presencial seja em teletrabalho.

 

O conceito de trabalho normalmente está associado à ideia de dedicar tempo, conhecimentos e experiências em troca de remuneração financeira. Contudo, dinheiro não é o único instrumento utilizado para envolver os colaboradores. Pensar no bem-estar da equipa e na employee experience é essencial para as empresas que querem reter talentos e crescer com equipas motivadas. Segundo um estudo realizado pela Universidade da Califórnia, os trabalhadores felizes são 31% mais produtivos, três vezes mais criativos e chegam a vender, em média, 37% a mais em comparação com os outros colaboradores.

Uma das formas de promover a felicidade no trabalho é através do “salário emocional”. O termo é cada vez mais usado para definir recompensas que vão além do salário monetário, focadas no bem-estar e crescimento do colaborador, contribuindo para melhorar a satisfação profissional. Um exemplo de organização portuguesa que tem investido no salário emocional é a E-goi, empresa especializada em Marketing Automation.

De acordo com o CEO, Miguel Gonçalves, desde a criação da empresa que percebeu a relação entre a felicidade, motivação e confiança dos colaboradores, em si próprios, na chefia e na empresa como um todo. «É essencial que se pense no bem-estar individual e geral das pessoas, de modo a melhorar as suas capacidades e atingir níveis excelentes e consistentes. É muito difícil conseguir levantar todos os dias cheios de energia para fazer algo em que não se acredite, não se identifique, e é isso que fazemos melhor», acredita. «As pessoas fazem realmente parte da família.»

Segundo a Human Resources manager da E-goi, Rita Alexandre, o foco no bem-estar do colaborador faz parte da cultura da empresa. «O mais importante é termos uma cultura onde se respire o respeito, com uma equipa unida, cooperante, onde as pessoas se sintam realmente bem, envolvidas, e com forte sentimento de presença. Ter uma cultura assim é essencial, principalmente neste período pandémico em que vivemos. Mesmo com a distância física, resultante do teletrabalho, apoiamo-nos uns aos outros. Fomentamos momentos de relacionamento interpessoal, o que permite a criação e sedimentação de laços emocionais entre todos. O facto de já investirmos no salário emocional antes, permitiu-nos ter uma equipa muito mais unida e conectada agora.»

Para integrar a prática do salário emocional na empresa, Rita Alexandre destaca a importância de perceber os objectivos da organização, os valores e o perfil da equipa para chegar a um ambiente ideal. «Conversar com os colaboradores e entender as suas expectativas e necessidades é um primeiro passo para desenhar as acções que serão somadas ao salário económico», sublinha.

Para exemplificar, a Human Resources manager listou algumas práticas que fazem parte da cultura organizacional da empresa, mas que podem ser implementadas noutras organizações:

1. Refeições
Na empresa, os colaboradores têm à disposição lanches, frutas e snacks para aproveitar ao longo do dia. O destaque principal vai para o almoço, que é gratuito, com três opções de pratos, incluindo uma opção vegetariana. «Oferecemos comidas frescas feitas por cozinheiras de mão cheia, pensando inclusive nas pessoas que possuem regimes alimentares diferentes. Posso dizer que é um salário emocional bem atractivo e saboroso», afirma.

 

2. Seguro de Saúde
Para manter a saúde em dia, os colaboradores têm acesso a um seguro de saúde que não é descontado do salário tradicional.

 

3. Actividade física
Durante a pandemia, quando os ginásios estavam fechados e os exercícios ao ar livre tinham de ser feitos individualmente, a empresa passou a oferecer aulas de ginástica, pilates e meditação em formato remoto. «Apesar de estarem todos em suas casas, as pessoas podiam fazer as aulas em grupo, com as suas famílias, e acompanhar os colegas de trabalho pelo ecrã», exemplifica. «É um bem-estar para corpo e para a mente, além de estreitar a relação interpessoal num momento que pede a distância física.»

 

4. Prendas
Rita Alexandre conta: «Presentes são sempre bem-vindos, não é? No aniversário, o colaborador ganha um dia de folga, que não é descontado das férias, além de um presente com saldo em cartão. Já no dia de Natal, todos os nossos colaboradores recebem cabazes de Natal e os seus filhos ganham prendas especiais.»

 

5. Acompanhamento personalizado
Todos os colaboradores recebem acompanhamento personalizado para perceber o bem-estar psicológico e profissional. O desenvolvimento individual na empresa é focado nas motivações, expectativas de crescimento e realizações pessoais e profissionais. A responsável concretiza: «Reconhecemos o valor dos nossos colaboradores e elevamo-los a especialistas internos. Praticamos valores e cultura organizacional assentes no respeito, ambiente de trabalho positivo, cooperação, entreajuda e apoio emocional. Todos dispõem de autonomia e tolerância ao erro, criando confiança nos colaboradores. Também promovemos uma proximidade entre gestor e colaborador, num clima de partilha e comunicação bilateral e constante.»

 

6. Plano de formação
O conceito “lifelong learning” faz todo o sentido na empresa. Os colaboradores entram para a equipa com conhecimentos para exercer sua função, mas a E-goi disponibiliza um valor anual para que eles participem de cursos, formações e aulas que façam sentido para o seu desenvolvimento pessoal e profissional. «O desafio profissional é constante, assim como as mudanças no mercado. Por isso, oferecemos um ambiente que possibilita aprender todos os dias», garante.

 

7. Momentos de confraternização
Antes da pandemia, as datas comemorativas, aniversários e bons resultados eram sempre motivo para celebrações com toda a equipa. Festas temáticas, como o churrasco de São João, são a marca registada da empresa. «Reunir os colaboradores com os seus colegas num ambiente fora do habitual e descontraído é uma forma de aproximá-los e fortalecer a relação interpessoal», defende Rita Alexandre. «Com a pandemia, tivemos que suspender as confraternizações presenciais, mas ainda promovemos celebrações online para manter a equipa unida e motivada.»

 

8. Salas de convívio
PlayStation e mesa de ping pong são só alguns exemplos de entretenimento disponíveis na empresa. Antes da pandemia, os colaboradores podiam jogar nas horas livres ou usar os jogos de cartas e tabuleiros para descansar a mente entre um desafio e outro. Para os que preferem o ar livre, a E-goi dispõe de um terraço, para além de estar localizada a cinco minutos a pé da praia e do Parque da Cidade do Porto.

 

9. Progressão de carreira
«Onde estou e onde quero chegar. Desde o primeiro mês na empresa, montamos uma progressão de carreira para que os nossos colaboradores saibam exactamente as suas actuais funções e quais objectivos devem cumprir para avançar», explica a responsável. «É um plano bem definido, claro, transparente e baseado na meritocracia.»

 

10. Ambiente lúdico e descontraído
«O salário emocional pode estar nas paredes, sob as mesas e na disposição do escritório. Um ambiente mais leve e lúdico pode traduzir-se num profissional mais positivo, confiante, criativo e à vontade com o seu espaço de trabalho», diz Rita Alexandre. «Por isso, a nossa estrutura possui uma decoração moderna e descontraída, que oferece todo o suporte profissional, mas ainda assim consegue deixar os dias mais leves e produtivos.» As instalações também contam com parque gratuito para scooters e bicicletas, além de um espaço kids. «Para nós, o worklife balance é muito importante. Por isso, possibilitamos a vinda dos mais pequenos para o local de trabalho.»

Além do salário económico e emocional citados, a empresa especializada em Marketing Automation oferece benefícios como plano de comunicação móvel gratuito, divisão de lucros para todos os colaboradores e prémio de antiguidade, para reter e presentear os talentos que estão há mais tempo na equipa.

Em 2019, a E-goi recebeu o prémio Fast Mover em Portugal, promovido pela Revista Exame Informática, por ser uma das empresas que mais cresceram em número de colaboradores, além de estar entre as 100 melhores organizações para trabalhar. Actualmente conta com cerca de 150 colaboradores, de oito nacionalidades, que trabalham em Portugal e no Brasil. Mais de meio milhão de utilizadores recorrem à tecnologia da empresa portuguesa, que está disponível em cerca de 40 países.

 

Este artigo faz parte do Especial “Employee Experience”, publicado na edição de Abril (n.º 124) da Human Resources, nas bancas.

Caso prefira comprar online, tem disponível a versão em papel e a versão digital.

Ler Mais
pub


Comentários
A carregar...